quarta-feira, março 01, 2017

Quantas vezes votei no PT?

“Um homem que não seja socialista aos 20 anos, não tem coração. Um homem que ainda seja um socialista aos 40 não tem cabeça”
Georges Clemenceau (1841-1929)

Bom surgiu uma polêmica no aniersário do Gil, mas eu já havia ido embora, sobre quem teria coragem de me perguntar quantas vezes eu votei no PT. Acredito que o motivo do “medo” deve ser a minha atual postura anti-PT.

Seguindo o pensamento acima, realmente, não há como não ser idealista na juventude, em querer “consertar” o mundo, até porque carecemos de informações e conhecimento. Seguindo essa linha, tentei participar do movimento estudantil em 1974, eu era estudante da Física na USP, mas me decepcionei pois vi apenas proselitismo e nada concreto. Os líderes, diferente de mim, só estudavam e queriam agitar as massas só falando, eu tinha que trabalhar para me sustentar, mas mesmo assim continuei “de esquerda” e contra a ditadura. . Fiquei fulo da vida quando do Geisel, no pacote de 1977, limitou a bancada federal paulista e aumentou as do nordeste, garantindo assim a maioria do colégio eleitoral na mão da Arena.

Participei das duas passeatas das Diretas-Já e fiquei puto com a Globo que nem mencionou a primeira que reuniu mais de 100 mil pessoas na praça da Sé. Em 1987 organizei a Comissão de Empregados na unidade do Serpro, pois a empresa tinha milhares de digitadores que dominavam as reivindicações sindicais e eu levantei bandeira de também defender os interesses dos operadores, programadores e analistas (eu era analista). Foi aí que tive contato com o mundo sindical e comecei a chamar todo mundo de “companheiro”. Fui “destituído” do cargo por uma líder dos digitadores, durante uma greve. Encerei aí minha participação no movimento sindical mas pude observar a manipulação de idéias e dinheiro.

Em 1989, finalmente a eleição direta presidencial. Candidatos fortes Lula e Collor. Foi a única vez que votei no PT para o cargo executivo. Sempre tinha votado até então, em candidatos do partido para o Legislativo, já que eles eram bons nas denúncias e fiscalização. Nessa época até fiz boca-de-urna para um amigo petista candidato a deputado estadual e que foi eleito. Apesar do meu voto, felizmente o Lula perdeu.

Em 1994, com o Plano Real controlando a inflação, votei no FHC. No primeiro turno da reeleição dele, votei no Ciro Gomes, pois queria que o FHC apresentasse o seu plano de governo para o segundo mandato (coisa que ele não tocou durante a campanha), mas a população o elegeu no primeiro turno, dando um cheque-em-branco a ele. Nessa época ainda votava no PT para o Legislativo, como por exemplo, votei no José Genoíno.

Mas aí começaram as maracutaias petistas: Morte do Celso Daniel e do Toninho do PT, o Fora FHC, o Abaixo Plano Real, Fora FMI e aí por diante. Não havia mais condição de votar em nenhum petista. Passei então a ser mais um “coxinha”. Inclusive na campanha de 2002, eu dizia aos amigos que iam votar no Lula: - se ele fizer a Reforma da Previdência e a Tributária, na reeleição eu votarei nele.
E digo mais: FHC foi o responsável pela eleição do Lula, e a situação deplorável que se encontra o país hoje, depois da (con)gestão petralha. Inclusive defende o molusco até hoje, vide seu depoimento na Lava-Jato.

Deixei de ser petista muito rápido, acredito que nem fiquei manchado, pois eles eram, à época, o símbolo da honestidade e da ética. Hoje para mim, quem defende o PT/Lula/Dilma é um alienado político. Equiparo-os aos muçulmanos que não aceitam pessoas que pensam diferente. Tanto é que um humorista de direita, sempre que  escreve a sigla PSoL, coloca o “sic” em seguida para evidenciar o erro: O socialismo quer todos pensando igual, logo a palavra Liberdade da sigla, fica incoerente. Vá tentar argumentar com um socialista/comunista. Eles vão querer ganhar no grito ou partir para a porrada.

Como hoje, eu sendo um liberal e a favor do livre mercado, posso votar em candidatos ou partidos de esquerda?

Posso estar velho, mas não DEMENTE,

Alvaro Alfredo Risso

6 comentários:

Fernando disse...

Após sua saída da festa do Gil... É normal o comentário sobre quem já foi... Então falamos de Eleusa e logo em seguida foi aberta o papo sobre o Álvaro... Quem tem coragem de perguntar a Alvaro? Quantas vezes ele votou em Lula? Eu me credenciei para tal função, mas ao chegar no Recanto dos Rismar não teve clima e eu me encantei com os netos, como também depois de certa idade a gente esquece as coisa com facilidade.
Sua história eu conheço e parabenizo pela sinceridade mas euzinho aqui nunca votei naquele FDP...
Fernando

Bel B disse...

omo Álvaro, eu votei inúmeras vezes nos candidatos do PT. Para Lula só votei contra Collor. Fiz campanha, vesti camisa vermelha, fui para o comício no Farol e cantei Lula lá!.. Mesmo não tendo votado, quando ele foi eleito, torci muito que desse certo, mas com o mensalão, perdi a fé no partido da ética.
Hoje não acredito em nenhum partido. Voto sempre no candidato que acho menos pior...

Anônimo disse...

Enfim, o homem saiu do armário! Votar no PT? Nunca!

Por ter trabalhado combatendo os pensamentos e as ações de sindicalistas como Jaques Wagner e Rui Costa, entre outros, conheço, bastante, as suas estratégias de comportamento nas negociações.

Mas, é bom o cara confessar os seus pecados, afinal, todos nós os temos.

Nessa história de Brasil, e dá classe política dominante desde a "pseudo" Proclamação da República, quando 600 generais se amotinaram - ninguém os viu ou soube o que aconteceu, cantavam a Marselhesa (afinal, o Brasil se tornara "República, sim, só que das "bananas")-, nenhum, nenhum, nenhum político quis emancipar o povo brasileiro.

E olha que tivemos algumas oportunidades, até mesmo com o f.d.p. do Lula, que, ao ser eleito e ter uma aprovação de 90% do povo brasileiro (estou fora), poderia, sem dúvida, reconstruir o país. Mas, não! Preferiu destruí-lo, de vez, para sempre!

Assim, quando leio ou ouço alguém dizer: O povo tem o governo que merece, eu digo, o governo tem o povo que ele, governo, quer. O povo que se exploda, conforme dizia nosso saudoso Chico Anísio. Nenhum político quis educar o povo para que ele soubesse votar. São carneiros se dirigindo ao matadouro.

Nos últimos dias, estamos vendo o drama de 4.000 caminhoneiros carregados de produtos vitais para a economia nacional presos numa estrada de fundamental importância. Os políticos, ao longo dos últimos trinta anos, preferiram embolsar o dinheiro da nação a fazer uma rodovia que pudesse levar riqueza a outros lugares.

Portanto, tenho dito. O Brasil é inviável! Não dará certo nem em mais 500 anos!

Seu súdito!

Fernando disse...

Vamos pensar com otimismo,não vamos entra em guerra..............vamos melhorar os nosso ou quem estar próximo.

Política,religião e futebol é o mal da humanidade.

EDUCAR............vale tudo.

O mestre

Fernando disse...

Quer matar.........MATE UM COMUNISTA ACIMA DE 35 anos


É A SOLUÇÃO

Álvaro disse...

As palavras do Anônimo parece ser de um pessimista, mas já vi frase que bate comigo e com certeza com ele também: Não sou pessimista, apenas um otimista bem informado.