quarta-feira, dezembro 17, 2014

Tom

Hoje estamos com a visita ilustre do grande Tom. Eu, Diego, Mariana paparicando o dito cujo, com direito a passeio em Ipanema e parquinho na Praça General Osório. André deu uma passadinha no final da tarde com os presentes de Natal (adorei).

Estou aqui no quarto e entra ele. Tenho um porta retrato com os santinhos de Quito e painho na cabeceira. Ele olha e diz, apontando para o retrato de Quito:
- " Ele morreu não foi?",
Respondi. - "Foi, ele e meu pai"
Aí ele disse - "Ainda bem que você tem seu filho".

A dor é muito grande, ainda bem que tenho meu filho e toda esta família e amigos maravilhosos.

"A vida é bela" - e como.

domingo, dezembro 07, 2014

Cenas de um casamento

Leon e Elaine - São Paulo, 6/12/2014

Casamento no Cartório - os noivos e as testemunhas
 
Com as irmãs Daniela e Melina e os cunhados.


No almoço

Com os pais do noivo: Álvaro e Eleusa
Com Fernando e Isabel, e sobrinhos.

terça-feira, dezembro 02, 2014

O PROFISSIONAL.

Corre lá pelas bandas dos estrangeiros, uma história que não pode passar desapercebida pelos moradores destas paragens.
Conta-se, "causo" ouvido por este escriba e que garante ser verdadeiro pela idoneidade do narrador, que um conhecido pescador profissional daqui, em viagem de turismo por aquele país, mas devido a esta história, dá para perceber que a viagem era de negócio, resolveu se equipar com os mais modernos e tecnológicos equipamentos de pesca.
Para tanto, contratou um "consultor sênior" em assunto de pescaria, para indicar e acompanhá-lo nas aquisições necessária. A confiança que esse consultor desperta nem precisa se comentar, pois o mesmo é sobrinho e anfitrião do tal pescador profissional.
O consultor, com amplo conhecimento dos meandros do mercado local, levou-o à Meca dos pescadores profissionais como ele, aliás não como ele, já que ele não se compara com esses pescadores de finais de semana. Ele é "O PESCADOR" !
Lá chegando, por não dominar o idioma nativo do país (ele é especialista na linguagem dos peixes), usou o consultor para a comunicação com o atendente da loja. Por sinal, a loja era enorme, de tal forma, que possuía desde barcos até anzóis de piaba, além de cadeiras para se colocar em árvores, enquanto o profissional da pesca aguardava a boa vontade dos viventes das águas.
Quando o consultor falou da necessidade do seu acompanhante, o vendedor abriu um largo sorriso, já pensando na venda que iria fazer. Barcos, motores, sonares para detecção de cardumes, redes de várias tramas, freezers para conservação do resultado da pescaria, enfim, o seu salário do ano estava garantido.
Aí, o pescador disse que queria tudo de melhor que ele tivesse, começando pela vara de pesca, ao que o vendedor perguntou (devidamente traduzido pelo consultor):
- A pesca é em alto-mar ou em rio?
Traduzida a pergunta, o pescador sentiu o baque, mas não perdeu a pose e respondeu:
-Rio. O vendedor no mínimo imaginou um Amazonas. 
Próxima pergunta devidamente traduzida:
- Vai ser usada em barco ou a partir da margem?
Depois de confabular em voz baixa com o consultor, este responde ao vendedor:
- Da margem. Nessa altura o vendedor já diminuiu o tamanho do rio, e apresentando as várias opções desse equipamento, pergunta:
- Molinete com embreagem hidráulica ou mecânica?
- Qual o MELHOR? perguntou o consultor.
- Hidráulica, responde o vendedor já pegando alguns tipos na prateleira.
- E a linha? pergunta o pescador já olhando as várias opções penduradas na gôndola, ao que o vendedor retruca com outra pergunta:
- É para peixes com mais de 100 quilos e ou menos?
Nova confabulação e finalmente o consultor fala do tipo dos peixes: lambarís e piabas, ao que o vendedor exclama:
- AH, ESSA LINHA EU LHE DOU DE BRINDE!
A placa na porta da loja resumia a cena:


sábado, novembro 29, 2014

Do baú...



Carteira de Identidade de Flori, de 22 de maio de 1945.

quinta-feira, novembro 27, 2014

Coisa de Bandido – Editora Abril


Recentemente quando Florival mudou-se para minha casa, alterei o endereço da assinatura de Veja dele para meu endereço.  Ao fazer isto vi que a referida assinatura ainda era no nome de Irlan e resolvi substituir o nome para o de Fernando.

Agora recebemos 2 revistas, uma vez que eu já tenho minha própria assinatura, inclusive a digital. Flori  havia me informado que a assinatura fora renovada recentemente. Tentei trocar a assinatura para outra revista, resposta negativa.  Esqueci...

De repente recebo um carnê com boletos para renovação da assinatura em nome de Irlan. Pensei: “É só não renovar e ficamos com uma única revista. Flori deve ter se enganado”. Liguei para Abril, com o código de assinante de Irlan e mandei verificar a situação da assinatura. Resposta: está renovada e paga pelo ano de 2015. Reclamei. Pedi para deletar o código do assinante... impossível..  No fim da conversa só me disseram para eu ignorar se chegar alguma correspondência  em nome de Irlan.

Ontem recebi um carnê igualzinho ao anterior para renovação da assinatura de Veja, em nome de Fernando. Liguei novamente, agora com o código de assinante de Fernando, pedi para checar a assinatura e tive a mesma resposta, renovada e paga pelo ano de 2015. Por que estão cobrando? Várias respostas idiotas...

Concluo então, ou a Editora Abril é muito desorganizada ou é coisa de bandido!...
Antigamente tinha uma musiquinha de Carnaval que dizia assim.. “vá lambuzando o selo, se colar, colou...”


domingo, novembro 23, 2014

Bandido é exceção...

Certa vez li um artigo numa revista em que o autor dizia que notícia é um acontecimento relevante que merece destaque na mídia, não é a regra, ou acontecimento cotidiano, que notícia é a exceção. Então se havia notícias ruins era bom, significava que acontecimentos ruins eram exceções.  Problema seria se as coisas boas fossem tão raras que virassem notícias.

Lembro-me disto quando vejo determinados destaques nos jornais para coisas que deveriam ser normais. Por exemplo, uma pessoa encontrou uma mala cheia de dinheiro num prédio e devolveu ao dono.  Honestidade virou notícia?

No país da impunidade, cada dia mais, a seriedade está virando notícia.  Vejo quase que diariamente no Facebook, pessoas elogiando outras ou a si próprias por atos que deveriam ser considerados normais. Alguém devolveu um troco que recebeu errado, guardou algum objeto para entregar ao dono que esqueceu. Coisas simples do nosso cotidiano que passaram a nos surpreender, pois parece que  o normal é “todo mundo é bandido e só quer levar vantagem”....

Esta semana que passou tive algumas  boas surpresas. Paguei  um estacionamento, recebi o troco e quando já estava no portão de saída, alguém bateu no vidro do carro. Era a moça do estacionamento que me devolveu o dinheiro,  pois quando ela foi checar verificou que eu estava no tempo de tolerância.  Logo em seguida parei  no sinal fechado e uma moça passou na frente dos carros deixando cair algo. Um motoqueiro que estava atrás se adiantou, pegou e devolveu  à moça.

Fui para o cinema, Cine Vivo, uma sessão as 15:05h. Quando cheguei as 14:45h ainda não estava vendendo ingressos, pois havia um problema no sistema. Várias pessoas foram chegando e engarrafando  junto à bilheteria. As 15h tomaram uma decisão inteligente, liberaram para todos entrar e pagar na saída. Foi tranquilo,  na saída todos se dirigiram à bilheteria, sem nenhuma pressão. É bom quando as coisas funcionam assim.
E hoje pela manhã no Supermercado, não tinha empacotador, o cliente que vinha atrás de mim, passou na minha frente e embalou toda minha compra....

Realmente foi uma semana auspiciosa... e bandido é exceção.

Sábado, 22/11/14

quinta-feira, novembro 20, 2014

Quem caça o que? - Parte III - Abra suas asas

A noite a natureza é complicada... ela é maior que nós... nos...arranca....medos e incertezas até da existência........”fico com medo de mim mesma... acho que posso até matar uma prima dessas se me chatearem muito “.....calor e cansaço.....e o pior de todos os males... os pés... cansados e calejados....!!!


Prudência nesse estado clínico e psíquico é importante...e até vital... pois de caçador  posso também virar presa.....né!
Por isso ...por volta da meia noite... em ponto vimos passar rapidamente  um animal... rastejante.... AFFF......o medo  tomou conta! Será que é um tatu mesmo ?!
“ tatu morde “ ....
” seu lá “ ...
”mas acho que arranha, pois tem... tem unhas enormes “.....
” unha?...como tu sabe ?“....” ele não cava um buraco de pá...né “......
Vamos ficar quietas e atirar.. ok?....Claro....
”.vamos atirar na cabeça..?..”
“Na cabeça?,,,ai meu Deus...tadinho!” ....
”ta então no corpo.... ....mas se vamos fazer ensopado....as balas ficam no corpo....ai não presta....”
”melhor de faca... 3 cercam e uma mata...” .
...ok....”
quem mata...?...
( silencio .................................................................................)....
”.melhor jogar “a rede ...resolvido .....rede....rede...rede.....”
“Certo” finalizou a chefa...!
“Melhor encostar a rede no buraco e esperar ele sair”...
“.se ele não sair.......melhor meter a mão....”
(silêncio..................................)
“melhor meter a enxada....”
e “ se acertar no bicho....”
“afff....eu morro de pena assim”
“Já sei...tatu come o que ? “
“ soube que come defunto “
“Ai gente.....melhor caçar outro bicho “
“Então a gente caça e solta.....”....
” ótima idéia....”
 “Ficamos de olho no buraco....qualquer movimento......rede....nele.....
Vixe.....tatua? Existe tatua...ou é tatu fêmea...?
Sei lá
“ E se ele for uma tatua? Cheia de filhinhos....”
“ Os filhinhos ficarem órfãos.....”
- Ai , não agüento isso.....
- Ai, mainha vai ter que criar....todo mundo...
- Painho ai reclamar...da despesas....
- Deixemos no Brejão......lá é o Eldorado dos bichos....
- Lá em casa... Deus me livre... tatu e e menino , só o meu Joaquim...
(Todo mundo dormiu )...culpa de Anete ....claro....!
Acordamos de manhazinha..... todo mundo quebrado...... fracasso total..........
AFFFFFFFFFF.....meu cepap  desligou.....cof...cof.......acordei -graças a Deus-.....um sonho medonho ...desses que agente .....baba... na fronha....
Imagine.....que tortura... .um sofrimento desse....afff.....mato...bicho......fome......sede.....vixe...
acordei tonta....de ressaca.......

Ah e não me venha com esse papo....adoro sofrer....e isso me faz melhor..... minha alma fica mais pura... papo furrrrrrrrrrrrado...... todo mundo gosta de um banho quente....de ducha........
Um sofrimento desse......passaria apenas em busca de asas....e como a vida ......é uma só... quero  dela até a última gota..., assim viveu minha avó, Dona Nicácia, livre como um pássaro.

Bom, pensando bem... Primas, vamos caçar?


By Naninha - de Vitória da Conquista

terça-feira, novembro 18, 2014

Quem caça o que? - Parte II - rãs, calangos e cobras...

Sem responder a pergunta – de como matar – o pobrezinho do tatu....entramos mata adentro.
Bússola , astrolábio , pêndulo holístico , GPS, automático e manual..vamos seguir....
Seguir em frente.....significa ir para o Norte ? pra lá ou pra cà ? Para direita deve ser o correto ? Direita é pra cá? ...não pra lá ....
Ok...começou a noite......o silêncio....tomou conta das primas......

Eu falei logo ( baixooooooo) que detesto rã.....Mocó...de cobra......Anete......urso...e Lilian de barata, ou seja eu e Mocó...em desvantagem total....colocados os medos na mesa....

Descobrimos que demos uma volta... voltamos ao ponto inicial... (deixamos uma marcação do lugar) ou seja... nada funcionou... resolvemos adotar o Cruzeiro do Sul... para nos guiar.... passamos coisa de uns pouco minutos (sessenta, eu acho) para achar esse  símbolo de navegação mitológico no céu. Cada um viu seu Cruzeiro... brigas ainda não... apenas um pouco de impaciência pelo cansaço.... adjetivo... este que não nos compete...
Andamos... andamos... andamos......
Deparei com uma rã... gritei... Ivana pensou que fosse uma cobra... Anete um urso e Lilian uma barata... ou seja, um pânico!!
Acalmada e esclarecida essa confusão... tomei um esporro!
- Ah ! morou na fazenda e fica ai com medo de rã!  - Veja bem... eu... cansada... pacientemente não respondi......

Uma andava sempre na frente...coisa de guerrilheira... vup... vup... vup... lanterna na testa... facão na mão....
O resto do batalhão, das companheiras... foram ficando para trás, doidas pra prosar ...
Uma falou.... Será que existe Caipora?......AH......!!! duas fizeram xixi nas calças... pois se não podia rir.....de um jeito......
Tomamos um  pito... xiiiiiiiiiiiiii......
 - Atentas a missão.......! Companheiras! Vamos buscar o auxílio do GPS......ok ?!
- Sim, Senhora!
- O que é UTM mesmo? ...
-Não sei , parece até TPM ......
Vixe.... ai..... Anete riu tanto que assanhou todos os bichos ...... calangos.....calanguinhos....
Outro pito.
Chegamos a conclusão que precisávamos cooperar. Estávamos errada, sim (KKKKKKK)
Missão dada... missão... cumpriiiiiiidaaaaaa.........meu Deus!

(...) segue depois...

Próximo episódio – de cara com o tatu ?

By Naninha - de Vitória da Conquista

segunda-feira, novembro 17, 2014

Quem caça o que ?

Bom essa caçada foi lá para os lados do território Brejão....região de grandes ....pecuaristas...... lugar de gente...de respeito.....diferentemente de nós .....
Essa caçada , suas participantes foram escolhidas a dedo, pois cada uma tem uma característica  importante para uma caçada de tatu....
Eu...Lilian...Ivana e Anete.....
Juntamos os equipamentos......
Lilian...e Ivana...passaram na  Pague Menos ; Santana;Famarcia Popular ; Do Povo ; Do Brasil...enfim....nos armaram....contra picadas de mnosca TSE-tse....mordida de crocodilo de urso panda.....urso branco...cobras....vixe.....faltou soro antiofídico no Butantâ....isso claro....os antibióticos...pomadas.....supositório de glicerina...nitroglicerina......sei lá.....perdi a paciência.
Eu e Anete fomos ao mercado.......já que era uma noite de escuridão.......podia bater mais fome que o normal......e a responsabilidade de alimentação é muito grande. Então cada uma pegou o carrinho e partimos para as compras.....criamos vários cardápios....chinês....vegetariano.....japonês.... Italiano....e sertanejo.....Vai que não dá certo...o tatu...foge? Acho difícil...com essa turma, mas tudo pode acontecer...
Definimos o lugar.....uma falou em pescar tatu em Itaparica.....outra ia caçar  no Brejão.....outra  queria caçar um tatutuzinho- tadinho- na fazenda de painho.....o Brejão ganhou com meu voto de minerva ( a história é minha, portanto esse voto é meu – antes que o leitor me venha com lenga ...lenga..)

Partimos para o brejão...no carro de lilian......ou seja ...carona nesta hora não da palpite......viagem agendada para quatro da manhã....saímos...13:00. Lilian tinha tanta coisa para fazer......que não sei como não infartou. Eu , Ivana e Anete......estávamos em um bar.....amolando as facas.....e tomando cerveja ( Ivana e Anete)...até Lilian chegar......as duas já estavam pra lá de Bagdá.....Ivana ria de tudo e Anete garrrrrgalhava do nada....Pensei.....vamos tomar um esporro!
Como era certo...tomamos um esporro...e partimos......
A viagem foi boa........decidimos alguns pontos.......lá na caçada...nada de papo...bebida.....queixa....o silêncio  é primordial......
Perguntamos lá nos Pompos lugar bom pra pegar tatu.....o homem nos falou que era proibido caçar......- Moço a pergunta é...onde tem tatu!???......oxe.....quem quer saber de proibido?!
Mostrou o caminho.....já estava escurecendo......vestimos a roupa de caçar tatu...calça; bota;luva;chapéu.....creme...perfume...baton...escovamos os dentes e partimos. ( vai que tem um caçador bonitinho )......
Falei que podia comer uma coisinha antes.....para garantir a performance........todas concordaram....
Fizemos uma salada de rúcula......com tomate seco.....Liliam ficou na preparação...pois tinha que desinfetar as folhas.....lavar em 3 águas........azeite.....anete puxou um queijo invocado....! Cem reais o kg...ai...houve polêmica.... – Um exagero ! ( disse uma ) a outra – Ah, quero provar logo! ...a outra ....vou aproveitar, não eh todo dia....
Limpamos tudo recolhermos o lixo.....o tal do politicamente super-correto ......
A pergunta era.....? Como vamos matar....o bicho? De tiro, fão, facada, ou vamos joga a rede...?

(....) depois continuo...

By Naninha - de Vitória da Conquista


domingo, novembro 16, 2014

Raminho postou a certidão de casamento de vovô Martins e vovó Cecília. Encontrei, no meu bau, coisas mais recentes.
Bodas de ouro (50 anos de casamento) - 1962

Bodas de diamante (60 anos de casamento) - 1972
Aproveitando o momento, posto mais duas fotos do meu bau
Na escadaria da igrejinha antes dos anos 60s (artistas???)
Meu primo Renee acompanhando D. Osete, minha mãe a mais duas colunáveis de Conquista, nos anos ???


domingo, novembro 09, 2014

É quem faz...

Sessão da Câmara de Vereadores de Itaquara/04/11/2014. Fala do Vereador Edinho Barreto



https://www.youtube.com/watch?v=XnIPi-nM5tA

quinta-feira, novembro 06, 2014

Meu caderno de Português

E por falar em baús e antiguidades, encontrei  estes dias o meu caderno de Português da época em que eu morava em Conquista.
O que estudava uma menina de 15 anos nos anos 60? Já ouviram falar em orações sindéticas e assindéticas? Verbos rizotônicos e arrizotônicos? Partícula apassivadora? Predicado verbo-nominal? E outras coisas semelhantes...
A maior parte do caderno é dedicada a Análise Sintática, e não são frases simples. 
Alguns exemplos:
  • Detive-me extasiado porque a paisagem que estava a meus olhos era deslumbrante.
  • Tirou o lápis, buscou ideias que pululavam na cabeça.
  • Os sábios que escavam as sedes das antigas moradas dos homens chamam-se arqueólogos.

Todas analisadas.

E eis que me deparo com a análise do Hino Nacional.

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heroico o brado retumbante, /
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da pátria, nesse instante.

Período composto por coordenação
Primeira oração (até a barra): coordenada assindética aditiva
Sujeito simples: as margens plácidas
Predicado verbal – ouviram o brado retumbante de um povo heroico
Objeto direto – o brado retumbante
Adjuntos adnominais: heroico (de povo). Do Ipiranga, as e plácidas (do suj. margens)......
Segunda oração: coordenada sindética aditiva.
....................

Alguém ainda estuda isto? Onde? Pra que serve mesmo? 



terça-feira, novembro 04, 2014

Hoje é o aniversário da pessoa mais importante da minha vida.

Sabe uma mãe coruja? Eleve ao milésimo.  Esta sou eu.
Sou mãe de um pessoa especial, talentosa, esforçada, amorosa e também cheia de defeitos. Mal humorado quando acorda :(, mas ao mesmo tempo muito carinhoso:). No final tudo se equilibra.

Realmente, nos realizamos através dos nossos filhos e este foi o maior presente que recebi na minha vida. Bem, além dele também tenho uma família maravilhosa. Como tenho sorte na vida.

domingo, novembro 02, 2014

Carta de Amelinha para Emília



Quem lembra desta carta que publicamos aqui  há um tempo atrás?

Tia Amelinha escreveu quando Emília, filha de Zeca e Salete, nasceu. E por causa do Caravana da Alegria, ele passou para mim. Os dois se foram e eu fiquei com esta responsabilidade então resolvi esperar Emilia crescer,,,

Hoje, finalmente passei a carta para Emilia que está prestes a fazer 15 anos...

Missão cumprida e documentada!..






Neste endereço, post anterior, com conteúdo da carta:
http://caravanadaalegria.blogspot.com.br/search?updated-max=2013-07-15T16:54:00-07:00&max-results=20

sexta-feira, outubro 31, 2014

Apesar de você amanhã há de ser outro dia


Eu acho que se esta campanha eleitoral demorasse mais, ia virar uma guerra civil..  É inacreditável o que vi de ofensas e intolerância pelo Facebook, blogs e whatsapp.
Esta foto foi de um carro estacionado num Shopping em Salvador.

Eu discordo. Continuo fã de Chico Buarque de Holanda, de Caetano Veloso, de Gilberto Gil, apesar de eles votarem diferente de mim e não é por isto que posso lhes negar o talento. É claro que do alto dos meus “... enta e tantos” anos, não dá mais para ser fã como antigamente. Por exemplo, não aguento o papo  de Caetano, nem o de Gil, acho que são muito ‘estrelas’. Vi Caetano um dia no Faustão, se recusar a cantar uma música que o público pedia, ele não cedeu. Achei super-antipático, mas como ele defende as esquisitices de João Gilberto.. paciência!. 

Na época do governo militar havia inúmeras lendas sobre as músicas, a censura, as interpretações. O próprio Chico desmitificou várias destas histórias, inclusive a relacionada com Apesar de você...  Não gostei, preferia as versões da época, muito mais interessantes.

Não acredito também que estes artistas tenham decidido seus votos porque foram beneficiados pela Lei Rouanet. Isto é igual a dizer que todos que votaram em Dilma recebem Bolsa Família.

Continuo fã de Chico. É só transportar suas músicas para hoje.
Esta, poderia ter sido escrita agora:

Vai passar
Nessa avenida um samba popular
Cada paralelepípedo
Da velha cidade
Essa noite vai
Se arrepiar
Ao lembrar
Que aqui passaram sambas imortais
Que aqui sangraram pelos nossos pés
Que aqui sambaram nossos ancestrais
Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações
.......................................

Enfim...vai passar... O PT vai passar...

Para concluir, acho o PSDB, um partidinho que vive em cima do muro, não sabe fazer oposição, tem lá seus rabos presos também e não vejo porque em me desgastar e brigar por ele. Tomara que depois desta significativa quantidade de votos que Aécio teve, além das abstenções, brancos e nulos, que mostram a insatisfação do povo brasileiro, Dilma tome jeito e faça um segundo mandato melhor e que o PSDB comece realmente a fazer oposição aos planos bolivarianos e ditatoriais do PT.


sexta-feira, outubro 24, 2014

Férias no Japão

Ivan e Joana estão de férias no Japão e nos enviaram algumas fotos.

Passeio de teleférico com Monte Fuji ao fundo

Vista Monte Fuji

Uma surpresa a cada esquina:

Sanitário público feminino com cadeirinha para o bebê.


um poste diferente
Tampas de bueiros com desenhos



Vagão só para mulheres


terça-feira, outubro 21, 2014

Certidão de Casamento de Manuel Martins e Cecilia



Hamilton Ipê prometeu abrir o baú de antiguidades e começou com este documento.

segunda-feira, outubro 20, 2014

Salvador


Anteriormente agendada (significa que foi a data na qual a passagem era a mais barata) seguimos para o grande engarrafamento que hoje contorna a baia de todos os santos, outrora denominado cidade de São Salvador. Nos intervalos entre os engarrafamentos conseguimos, felizmente, ver nossa família, e o legal é que alguns desses queridos foram encontrados por acaso, como quer a turbulência e o clinamen epicuriano. O mote da viagem era dna. Patrícia reencontrar amigos de infância distribuidos, na ordem, pelo bar Ponte Aérea, feira da paróquia na Pituba e na Praia do Flamengo, ( local que está se tornando o point dos viajantes eufóricos quando da chegada e deprimidos quando da partida. Afinal como dizia o bardo, "quem parte morre um pouco").

Iniciamos a aventura pela praia da barra, adolescência de dna Pat. Após alguns acarajés, caipirinhas de maracujá, sol e muito mar que estavam divinos, retornamos para a casa de tia Noélia.



 

 


Tivemos show de música quase impossível (Orquestra de Violões da UFBA) - aliás estou preparando uma sugestão de repertório mais fácil para o nosso maestro Robson (vai incluir "atirei o pau no gato", e "noite feliz").  Pois o segundo movimento de Villa Lobos achei quase a nível imaginário (realmente um escândalo).
dna Patrícia reencontrou também dna Haydée, amiga de infância que mora no Horto. Desnecessário comentar o tamanho do engarrafamento para chegar lá, mas valeu a pena pelos acarajés e abarás minúsculos e maravilhosos.

Na feira da Pituba, surpresa ! Encontramos dna.Ana Paula, seu Ricardo e Rafael. Tom acertou um golaço em um brinquedo de futebol e foi premiado com um dominó de animais. Pat encontrou o amigo que não via a 20 anos e seguimos para casa de tia Nói onde ficamos até quase uma da manhã entre discussão existencial, política e cervejas com tia Nói e um Califa prosador, orgulhoso de seu olho de vidro.
 

 
Sábado foi marcado pela happy hour na casa de tio Fernando. Foi uma noite de bolas uma vez que surgiram as meninas de Léo, o que tornou o ambiente bem festivo e ainda mais jovial, criança sem dúvida, rejuvenesce a gente !!
 

Abaixo a cena de Tom brincando de motorzinho para empurrar as primas dentro da caixa de brinquedos, o apê de Bel e Fernando parecia um parque de diversões. Como não podia deixar de ser a trilha sonora foi primorosa, contava com um show de João Bosco, que se esforçou para imitar Cristiano Barreto.

 
No flagrante abaixo Tom despeja um saco de bolinhas no anfitreão incauto.
 

Teve café para os fortes também, fiquei na Stelinha.

Para finalizar a viagem com brilho e malemolência seguimos para a praia do Flamengo, com o grupo agora mais forte encorpado pela presença luxuosa do Dr. Daniel.

Luciano e um polvo seguiram de ônibus em carreira solo, enquanto nós seguimos pelo engarrafamento da orla.
Não fotografei o polvo, que jazia escondido em alguma panela, talvez envergonhado pelos kibes de tia Nói. Mas Lú deu um jeito nele e o dito bicho surgiu em um vinagrete ímpar. Mister preparou um super peixe em sua churrasqueira (que parece uma nave Klingdom de Star Trek).

O som foi projetado e instalado pelo maestro Robson. Vejam o arranjo lúdico:

 

O tanque serviu para aumentar ainda mais do som emprestado pela nossa Maria Júlia. Ficou decidido em mesa redonda que as raves, doravante, serão realizadas ali fora. Aliás, quem pode com isso aí ??

 
Aspecto do almoço rave:



Depois disso tivemos de vir embora para a rotina e trabalho, enfim, temos de vir para poder voltar não é?
 


segunda-feira, outubro 13, 2014

Fotos Antigas

Estava atras de umas fotos minhas e acabei achando umas fotos antigas que tinha mandado escanear ha tempos. Como ja estou nos trinta e tantos anos, estou comecando a considerar minhas fotos de bebe como antiguidade...







quinta-feira, outubro 09, 2014

Se você atropelasse um cachorro vira-lata, que faria?

História verídica: uma conhecida minha atropelou um cachorro vira-lata. Ela socorreu o infeliz, colocou-o no carro e levou a uma Clínica Veterinária, particular, claro. Não tem SUS pra cachorro.


Resultado: exames iniciais e diagnóstico ela desembolsou R$600,00. O cachorro precisava ser internado o que faria ela gastar mais uma pequena fortuna. Mas o cachorro terminou morrendo antes do internamento.

Ao ouvir a história fiquei refletindo sobre o assunto e confesso que não sei o que faria ...
A opinião de um amigo foi que ele daria o socorro até a clínica mas não pagaria, diria aos veterinários o que tinha acontecido e deixaria para que eles resolvessem se atenderiam o cachorro gratuitamente.


Outra questão: se ela pagasse o internamento e o cachorro ficasse bom. O que ela deveria fazer depois? Abandonar o cachorro na rua?

Enfim, que vocês acham?