quinta-feira, março 21, 2019

Verão 2018/2019

E o verão foi quente, em todos os sentidos...

Tradicional veraneio da família em Conde


Fernando e seus almoços, com duas ajudantes de cozinha

A elegância de Robson, Janete e Maju prontos para uma festa.

Exposição de Adilson Santos no Palacete das Artes - Salvador
Encontro de irmãos
Na visita de Eliezer a Edinho

Irmãos com as respectivas esposas




















E o verão teve lindos amanheceres e entardeceres...

Vitória da Conquista



Em Conquista - por do sol no Cristo

Por do sol em Salvador - 14 de março

Sol nascendo em Amaralina





quarta-feira, março 20, 2019

São Paulo com e sem mesmice...

 Fim de semana em São Paulo

Com mesmice...

Como ir a Sampa e não ir ao teatro?
O Fantasma da Ópera...


Como ir a Sampa e não ir a um  bom restaurante italiano como o  Famiglia Mancini?

Como ir a Sampa e não encontrar a família Rismar (Risso Martins)

Como ir a Sampa e não encontrar a família Ikeda?



E por que não aproveitar o mês de janeiro e comemorar os aniversários do mês?

Iuri, de gaiato, ele não é de janeiro, os outros sim.


Conhecendo novos lugares

Passeio a São Roque - Rota dos Vinhos





"A Quinta do Olivardo leva os visitantes a uma imersão em Portugal no roteiro do vinho, seja na gastronomia ou no ambiente, a maioria dos pratos com bacalhau servem até 3 pessoas apesar de no cardápio informar que serve 2, então apesar do preço elevado acaba tendo um custo benefício interessante. Nos finais de semana é servido a tradicional espetada madeirense e o leitão a bairrada, mesmo se sua intenção não for almoçar, não deixe de provar o pastel de nata e o bolinho de bacalhauque chegam quentinho a mesa. " (São Paulo sem Mesmice)




E no final do dia OUTLET, onde Raíssa foi a campeoníssima das compras...


Aniversário

Aniversário de Isabel... 

Continuando a farra de Igor, Rose e as meninas em Salvador, eu que não sou de comemorar aniversários, aproveitei uma reunião na casa de Iuri e comemorei... Se há crianças que haja bolo e Parabéns pra você!




segunda-feira, março 18, 2019

Turistando em Salvador

Aproveitando a estadia de Igor e família, Ivan e Joana, e o sucesso da cidade do Salvador atualmente (V. texto de Nizan Guanaes, abaixo), decidimos fazer turismo no Centro da cidade, num domingo de dezembro / 2018.

Primeiro foi o Breakfast no Fera Pálace

Em seguida, saimos andando na Rua Chile ao Terreiro e visitamos a Catedral Basílica e a Igreja São Francisco
Na Catedral, recém reformada.
Joana, na Igreja São Francisco
Iuri e família na Igreja São Francisco


Visita ao Museu do Carnaval:



















Como não podia faltar, no final algumas comprinhas turísticas, quando Joana adquiriu um belo Tucano:






Sobre Salvador, texto de Nizan

Nizan Guanaes: Nosso futuro está no nosso passado

Quando fiz 60 anos, no ano passado, minha psiquiatra deu um conselho memorável: “Nizan, volte pra Bahia”. Ela não estava me aconselhando a mudar para a Bahia, mas ficar perto da Bahia e deixar a Bahia me mudar.
O menino do Pelourinho cresceu, mudou para São Paulo, ganhou o mundo. Foi muito tempo longe do lugar em que nasci, da terra de meus pais, irmãos e tios, dos meus amigos e colegas do Marista, de nossos costumes e crenças. A gente ganha o mundo, mas se perde nele. E se isto é verdade para mim, se eu preciso recapturar a minha história, é verdade também para Salvador.
O New York Times acaba de apontar a cidade como um dos 52 lugares para se visitar em 2019. É a única cidade brasileira da lista. E o texto do mais importante jornal do mundo não deixa dúvida: tudo o que ele destaca está na cidade velha. Se Salvador for ser a cidade global que deve ser, o caminho está ali.
Nosso futuro está no nosso passado. Nós, os velhos baianos, chamamos Salvador de Bahia em função da Baía de Todos-os-Santos. Só que Bahia se escreve com H, o H da história. Esse é o H que nos define, nos torna interessantes, criativos.
Seguindo o conselho da psiquiatra, resolvi passar boa parte do Verão aqui na cidade. Para estar ainda mais perto, pedi a Renata Magalhães e ao CORREIO para escrever esta coluna e assim dividir meus pensamentos com a comunidade onde nasci.
Não quero apontar defeitos nem fazer críticas, mas dar sugestões e insights. A cidade, como diz o Times, vive um renascimento. É preciso aproveitar. A chegada de hotéis como o fabuloso Fasano, onde estarei hospedado, e o lindo Fera Palace trazem novo ciclo para o Centro Histórico. Surgem novos empreendimentos - hotéis, restaurantes, museus, galerias, antiquários. Dois centros de convenções estão planejados em localizações adequadas e complementares, na orla e na Cidade Baixa. Que venham, rapidamente, para encher Salvador com seus eventos, gerando os recursos que a cidade precisa.
O turista vem ver história, cultura, música, culinária  - vem ver a Bahia com H. Caetano, Gil, Glauber, Caymmi, Jorge Amado, Risério, Carybé, Cid Teixeira bebem da água da história e são chafarizes para nós.
Então, meus amigos, história na veia da nova geração, nas veias da cidade. Uma dose massiva nos currículos das escolas públicas e privadas. Esse papel não é só do Estado, é da comunidade. TVs, rádios, jornais, blogs, sites têm que ensinar história. Nossos artistas e comunicadores devem propagar história. Os motoristas de táxi e de Uber precisam saber nossa história de cor e salteado. História é orgulho, história é ética, história é cuidado com a coisa pública, história é propósito.
Não se trata de poesia nem delírio meu. Isso é posicionamento estratégico, a minha especialidade, o que faço há 40 anos para centenas de clientes, entre os quais os maiores grupos privados do Brasil e do mundo.
Salvador não tem que inventar a roda, tem que copiar Lisboa, Paris, Roma. Mas copiar do seu jeito. Lisboa é a sensação da Europa porque está construindo uma cidade moderna sob os alicerceares da antiga.
Vamos trazer as melhores coisas do mundo. O Uber aqui será com H. A Califórnia tem o Vale do Silício, Salvador terá o Vale do Dendê, criada pela mente de Paulo Rogério, que luta para espalhar startups de nossa criatividade com pitadas de pimenta. Isso é sonho? Não. Vamos lembrar que esta cidade há décadas sacode o Brasil e o mundo. Sartre e Neruda vieram a Salvador atrás de Jorge Amado. Chega de modéstia. Modéstia não é um traço baiano. Nós tentamos ser modestos, mas não encontramos motivo.
O que precisa ser feito, todo mundo sabe. As respostas são conhecidas. Eu vim fazer perguntas. Por que nossos sinos não tocam? Por que não incentivamos as noivas do Brasil todo a virem casar na cidade com 365 igrejas? Por que estamos perdendo o lindo hábito de vestir branco nas sextas-feiras? Por que exploramos pouco a Baía de Todos-os-Santos? Nosso calendário de eventos é global ou paroquial? Por que os blocos afros não são prestigiados com toda a sua importância? O mundo chega e chora de emoção ao ver o Ilê passar. Como vi Naomi Campbell fazer. Quando o mundo viu Michael Jackson e Paul Simon cantando os tambores da Bahia, o mundo pirou.
Meu avô, um sindicalista mulato e comunista, me ensinou nossa história, e essa plataforma genética me fez cidadão do mundo. Fui longe e agora quero voltar. Como aconteceu comigo, minha cidade amada, minha soterópolis, minha Roma Negra, minha Bahia com H, eu lhe dou um conselho: volte pra casa, Bahia. Volte pra Bahia.
Nizan Guanaes é empresário e publicitário, sócio do Grupo ABC, maior conglomerado de comunicação da América Latina. É o autor de We Are The World of Carnaval, considerado um dos hinos do Carnaval baiano

NATAL 2018....

Atualizando o blog com  momentos natalinos 2018....


Natal é festa de família, encontros, sorrisos, abraços, 
presença e presentes....

Almoço dia 25 na casa de Fernando


Cenas do Amigo Ladrão
Alê escolheu o maior

Dia 24 a noite na casa de Noelia
 Em Conquista
E Anete se vestiu de Noel
Daniel, Karla e Naninha


Sérgio e Sandra
Famila de Nelsão, filhos, genro, noras, netos...

Verão 2018/2019

E o verão foi quente, em todos os sentidos... Tradicional veraneio da família em Conde Fernando e seus almoços, com duas ajuda...