domingo, março 26, 2017

As colchas - Segunda Etapa - De crochê (Família Barreto)


Depois de um tempo finalmente saiu a nossa colcha de retalhos de crochê. 
Bem, o sorteio vai ser em Salinas agora na Semana Santa. Dilza estará lá nos esperando para este grande acontecimento.

Mas sempre temos que contar a história desde o começo.

Bem, e já vai quase um ano. Eu e mainha estávamos em maio de 2016 na Alemanha na casa de minha prima Celinha, quando, ao ver uma colcha de retalho de tricô, tivemos a idéia de fazer com a família.

Lançamos a idéia que foi bem aceita. 

Na família de meu pai, como vocês podem ver em postagem anterior aqui no CA, a colcha foi de tricô e a participação foi bem maior, deu uma colcha de casal e no sorteio quem ganhou foi minha prima Ivete que mora em Belém. A cocha foi enviada pelo correio.


Colcha da Amizade
Na família de minha mãe, por sugestão de Pat, resolvemos fazer de croché. Muita gente duvidou do resultado. Achavam que ia ficar muito feia, sem planejamento, cada um fazendo um quadrado diferente, muito colorida, bem, podemos que ficou muito bonita.

Ah, e uma grande susrpresa, tia Noe fez uma faixa de croché com o nome de todos os participantes. Esta faixa ficou no meio da cocha. Vemos os seguintes nomes : Anete, Júlia, Norma, Luciana, Janete, Joana, Ana, Lilian, Noélia, Dilza, Ana Paula, Cristina, Nadima (amiga de Charles), Charles, Andressa, Vanessa e Isabel. Total dos participantes, 17 pessoas.

No total foram 80 quadrados, como não teve muitos participantes, eu, tia Noe, Mainha, Lilian, Janete e Joana fizemos uma faixa inteira (no total 60 quadrados), o restante do pessoal fez os 20.
E as histórias são muitas.

01 - Charlão foi o único homem da família a participar. Aprendeu com a professora Nadima que participou da elaboração da mesma

02 - A história de Ana Paula. A primeira vez que a prima pegou na agulha pensei "Xiii, esta aí não tem futuro", quando falei isso ela reagiu, encarou como um desafio pessoal e se superou. Aprendeu mesmo.

03 - Zéu e Sandra até que tentaram, mas não deu. Valeu a tentativa.

04 - Janete jogou duro, aprendeu na internet, não queria parar mais, fez mais de 10.

05 - Tininha foi "The Flash" , aprendeu rápido demais.

06 - O quadrado de Bel foi feito na década de 60, ela achou um flor que ela tinha feito e tia Noe completou o quadrado. Ficou lindo.

07 - E o projeto só saiu garças ao esforço das organizadoras e remendadoras. Eu e tia Noe perdemos algumas noites emendando os quadrados e fazendo acabamento. 

08 - Tia Noe conseguiu com muito custo que  Dilza fizesse 03 quadrados

09 - O São João em Salinas reuniu pela primeira vez a família fazendo croché. Muito empolgante.

10 - Esta colcha é em homenagem a vovó Amélia que tinha este projeto em mente e que infelizmente não conseguiu realizar em vida.



quarta-feira, março 08, 2017

Dia Internacional da Mulher - 8 de março

Noemi

Plagiando Célia que disse não ser  fácil ser filha de Amélia, digo o mesmo,  não foi fácil ser filha de Noemi , principalmente na infância e adolescência. Minha mãe era uma pessoa muito objetiva, prática, racional, realista, falava demais, exagerava, não guardava segredos, além de ser Martins sinônimo de super-econômica.

Do seu raciocínio lógico, vindo provavelmente da profissão, professora de matemática, não cabia o fútil, tudo tinha que ser útil, tinha que ter função. Esperava de crianças e adolescentes comportamento de adulto. Aí o bicho pegava... Lembro-me que certa vez o meu avô Manuel Martins apareceu em Conquista e deu uns trocados para mim e para Iris. Fizemos uma farra, de pipoca a algodão doce, num domingo no parque. Quando ela perguntou pelo dinheiro que já havíamos gastado, foi uma bronca e tanto. Deveríamos ter dado o dinheiro para que ela comprasse algo que tivéssemos precisando. Como uma criança poderia entender isso?

Na minha adolescência nos anos 1960, fã dos Beatles e Jovem Guarda,  não me atrevia a pedir dinheiro para discos. Se assim o fizesse ouvia uma ladainha das dificuldades financeiras da família... E quando eu ou Iris queríamos comprar qualquer coisa ela dizia: essas meninas precisam casar com deputado!...  No entanto se falássemos em fazer algum curso, aparecia o dinheiro, sempre com ressalva, que era um sacrifício, portanto não podíamos desperdiçar.
Casamento foi algo que ela nunca nos incentivou, ao contrário, a orientação era estudar e ser independente, como ela sempre foi.  Graças a ela, os quatro filhos fizeram faculdade e concluíram os cursos. Até Florival reconhece, me disse que ele não conseguiu fazer com que seus dois outros filhos se formassem.

Durante muito tempo critiquei muito as atitudes de minha mãe. Por exemplo, as empregadas domésticas tinham que abrir uma Poupança em que ela depositava uma parte do salário para que elas aprendessem a economizar, e não podiam sacar, só escondido, claro. Reclamava com qualquer pessoa que gastasse dinheiro com o que ela achasse que era futilidade. Presente, só coisa útil, algo que a pessoa estivesse precisando.  Sempre incentivou a todos a estudar.  As pessoas que passaram por nossa casa em geral saíram mais independentes e com mais conhecimento. Até matemática ela ensinava. Se não aprendiam outras coisas pelo menos saíam sabendo fazer “as quatro operações aritméticas”, como ela dizia. Depois de adulta compreendi, que desse jeito ela ajudou muita gente.

Nas minhas reflexões sobre minha mãe o que mais a admiro era sua fé inabalável. Nunca foi religiosa demais, apesar de ser batista e pagar o dízimo regularmente. Exigiu de mim enquanto vivia em Conquista, ir a igreja todos os domingos, era o “passe” para ir o cinema, mas pelo menos bastava assistir a Escola Dominical. Para quem não conhece o Culto da Igreja Batista é dividido em duas partes, a primeira é a Escola Dominical que é por faixa etária, depois o Sermão do pastor quando todos se reúnem no salão principal. Eu não reclamava, ouvia as histórias da Biblia, como se fosse uma história da Carochinha.  

Ela raramente ia à igreja, sempre tinha uma desculpa de afazeres domésticos. Como disse, nenhum fanatismo,  no entanto era incrível sua fé. Não tinha medo de nada, nem se impressionava com qualquer tipo de superstição, nem crenças em misticismos, cartas, cartomante, búzios, previsão de futuro ou semelhantes. Diante de uma situação dessa, sempre perguntou: Você não acredita em Deus?... Como se você crê em Deus pode acreditar que uma planta pode dar azar? ...  Como um objeto pode mudar sua vida, dá sorte ou azar?..  Como alguém pode adivinhar seu futuro?.. “Se Deus é por nós, quem será contra nós?”...

Nas situações difíceis que ela passou,  perda de uma filha, ou seu sofrimento físico que se arrastou por anos, da cadeira de rodas à cama, nunca ela questionou Deus... Um médico que a atendia em casa se surpreendia  pelo fato dela não ter depressão.


Eu não tenho essa fé, sou do tipo “não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem”, contudo sigo o exemplo, de vez em quando pergunto para alguém: Você não acredita em Deus? Então como está se impressionando com isso?

quarta-feira, março 01, 2017

Quantas vezes votei no PT?

“Um homem que não seja socialista aos 20 anos, não tem coração. Um homem que ainda seja um socialista aos 40 não tem cabeça”
Georges Clemenceau (1841-1929)

Bom surgiu uma polêmica no aniersário do Gil, mas eu já havia ido embora, sobre quem teria coragem de me perguntar quantas vezes eu votei no PT. Acredito que o motivo do “medo” deve ser a minha atual postura anti-PT.

Seguindo o pensamento acima, realmente, não há como não ser idealista na juventude, em querer “consertar” o mundo, até porque carecemos de informações e conhecimento. Seguindo essa linha, tentei participar do movimento estudantil em 1974, eu era estudante da Física na USP, mas me decepcionei pois vi apenas proselitismo e nada concreto. Os líderes, diferente de mim, só estudavam e queriam agitar as massas só falando, eu tinha que trabalhar para me sustentar, mas mesmo assim continuei “de esquerda” e contra a ditadura. . Fiquei fulo da vida quando do Geisel, no pacote de 1977, limitou a bancada federal paulista e aumentou as do nordeste, garantindo assim a maioria do colégio eleitoral na mão da Arena.

Participei das duas passeatas das Diretas-Já e fiquei puto com a Globo que nem mencionou a primeira que reuniu mais de 100 mil pessoas na praça da Sé. Em 1987 organizei a Comissão de Empregados na unidade do Serpro, pois a empresa tinha milhares de digitadores que dominavam as reivindicações sindicais e eu levantei bandeira de também defender os interesses dos operadores, programadores e analistas (eu era analista). Foi aí que tive contato com o mundo sindical e comecei a chamar todo mundo de “companheiro”. Fui “destituído” do cargo por uma líder dos digitadores, durante uma greve. Encerei aí minha participação no movimento sindical mas pude observar a manipulação de idéias e dinheiro.

Em 1989, finalmente a eleição direta presidencial. Candidatos fortes Lula e Collor. Foi a única vez que votei no PT para o cargo executivo. Sempre tinha votado até então, em candidatos do partido para o Legislativo, já que eles eram bons nas denúncias e fiscalização. Nessa época até fiz boca-de-urna para um amigo petista candidato a deputado estadual e que foi eleito. Apesar do meu voto, felizmente o Lula perdeu.

Em 1994, com o Plano Real controlando a inflação, votei no FHC. No primeiro turno da reeleição dele, votei no Ciro Gomes, pois queria que o FHC apresentasse o seu plano de governo para o segundo mandato (coisa que ele não tocou durante a campanha), mas a população o elegeu no primeiro turno, dando um cheque-em-branco a ele. Nessa época ainda votava no PT para o Legislativo, como por exemplo, votei no José Genoíno.

Mas aí começaram as maracutaias petistas: Morte do Celso Daniel e do Toninho do PT, o Fora FHC, o Abaixo Plano Real, Fora FMI e aí por diante. Não havia mais condição de votar em nenhum petista. Passei então a ser mais um “coxinha”. Inclusive na campanha de 2002, eu dizia aos amigos que iam votar no Lula: - se ele fizer a Reforma da Previdência e a Tributária, na reeleição eu votarei nele.
E digo mais: FHC foi o responsável pela eleição do Lula, e a situação deplorável que se encontra o país hoje, depois da (con)gestão petralha. Inclusive defende o molusco até hoje, vide seu depoimento na Lava-Jato.

Deixei de ser petista muito rápido, acredito que nem fiquei manchado, pois eles eram, à época, o símbolo da honestidade e da ética. Hoje para mim, quem defende o PT/Lula/Dilma é um alienado político. Equiparo-os aos muçulmanos que não aceitam pessoas que pensam diferente. Tanto é que um humorista de direita, sempre que  escreve a sigla PSoL, coloca o “sic” em seguida para evidenciar o erro: O socialismo quer todos pensando igual, logo a palavra Liberdade da sigla, fica incoerente. Vá tentar argumentar com um socialista/comunista. Eles vão querer ganhar no grito ou partir para a porrada.

Como hoje, eu sendo um liberal e a favor do livre mercado, posso votar em candidatos ou partidos de esquerda?

Posso estar velho, mas não DEMENTE,

Alvaro Alfredo Risso

terça-feira, fevereiro 28, 2017

Aniversário de NoéliaI - 26 de fevereiro

Irmãos reunidos no aniversário de Noélia


Enquanto isso, os folíões curtindo Carnaval pela cidade:







Gilberto - 70 anos

E os 70 de Gilberto foram bem comemoradas em Sampa.

Igor veio dos States. Fernando, Isabel e Iuri de Salvador. O aniversariante de Ilhéus.

Além do aniversário, inauguramos a casa de Ivan e Joana.


Matos, Barreto, Risso, Ikeda...





E teve Royal Salute





Bem-vindos a Salvador!


Enfim Salvador se anima novamente...

Depois de Lilian e Mateus, agora voltam Anete e Diego.

Que bom!...

sexta-feira, fevereiro 10, 2017

Que foto linda!..




Nanda e Duda com os vovôs!

terça-feira, janeiro 10, 2017

Mansão Barreto, filial Cabo Frio

Caros.

Ontem foram recebidos os móveis conceito da Letto em Cabo Frio que se juntaram à geladeira e ao fogão já adquiridos.

Desse modo, encontra-se consolidado mais um ponto de repouso aos Barretenses cansados que estejam em trânsito por este país, ou que queiram usufruir dos ares da primeira comarca fundada no Brasil pelos portugueses. Uma visita guiada à Comarca é oferecida "free of charge".

O senhor Luciano, figura inoxidável, premente e geométrica habita o local para admiração de boa parte dos nativos e correlatos.

Surpreendi a conversa ente uma joaninha e uma lagartixa na qual afirmavam que desde que Dna. Thereza virou estrelinha (para gáudio celeste e tristeza terrena) a casa nunca esteve tão limpa.

Agora, aqui sentado em um banco externo à casa, aprecio a conversa refrescada por um vento perene que insiste em fugir do mar.

Apareçam.

segunda-feira, janeiro 02, 2017

Feliz 2017!

No Flamengo....

Turma de Conquista

Vianas e agregados no Rio

Tom, Pat e Art no Rio

sexta-feira, dezembro 30, 2016

quinta-feira, dezembro 29, 2016

E assim foi o Natal....








Momento nostalgia - lembrando os antigos natais:


 




quarta-feira, dezembro 21, 2016


Papai Noel existe

Acreditar é o primeiro passo para algo existir. Papai Noel é , seguramente, um ente temporal que existe em determinadas etapas da vida.

Não sei em que momento Papai Noel me deixou na minha infância, mas todo Natal, estava ele lá, enchendo a casa de magia e de expectativa do que aconteceria na manhã do dia 25 de dezembro. Naquela época, os sapatos ficavam na beira da cama à espera da passagem de Papai Noel, sempre quando estávamos dormindo, por mais que tentássemos flagrar o velhinho.

Quando Nara e Mariana nasceram, Papai Noel voltou à minha vida, com a mesma magia da infância. Quando chegava a época do Natal, era a época da árvore (com algodão para imitar a neve que nunca aparecia), das cartas, de encontrar o presente mais desejado, de estar com a consciência que merecia a passagem do velhinho. Ainda permanecia o ato do sapato na beira da cama e a expectativa do que encontraria na manhã do dia 25, mesmo que houvesse uma distribuição de presentes na noite da véspera do Natal em algumas casas.

Algumas cartas comprovam a existência de Papai Noel nesta época.

1984
Papai Noel
Gosto muito do Natal. Quero ganhar: o disco do circo e dos três patinhos. Quero também a caneta maluca.
Já estou no primeiro ano. Leio e escrevo muito bem. Sou uma boa menina e boa estudante.
Minha lapiseira quebrou, se tiver alguma sobrando traga para mim. Feliz Natal
Um beijo
Nara (7 anos)
Papai Noel
Gosto muito do Natal. Quero ganhar: O disco do Balão Mágico no 3 e a caneta maluca.
Também quero o disco sapatinho de cristal.
Um beijo
Mariana (5 anos)



1985
Papai Noel
Gostaria de ganhar no Natal uma maleta de médico e plof(?).
Vi sua fábrica lá no Iguatemi. Se eu for outra vez em Salvador, eu vejo sua fábrica.
Um beijo
Nara (8 anos)
Papai Noel
Gostaria de ganhar uma ambulância de doutor saratudo e um disco de balão mágico e da xuxa.
Gosto muito de você.
Um abraço
Mariana (6 anos)



1986
Querido Papai Noel
Quero uma roupa de Sintilante e também uma pasta de escola, mas só que quero outro tipo, a de antes que você me deu quebrou rápido.
Estou contente por o Natal estar perto.
Minha mão deseja um ano de paz e felicidades junto de marido e filhas
Nara (9 anos)




1987
Caro Papai Noel
No Natal eu quero ganhar
joias
pulseiras de relógio
dinheiro ou dólar
É só isso
Feliz Natal e próspero ano novo
Um abraço
Nara (10 anos)
Papai Noel
No Natal quero ganhar:
metralhagua
uma espada diferente da minha
um escudo
banho de cascata do poney
torremoto
bamkuka
marcianos
discos
2º you da Xuxa
Karaoque da Xuxa
Um beijo
Mariana (8 anos)



1988
Papai Noel
Eu sou a irmã de Mariana, aquela que pediu três presentes. Eu não sou igual a ela, pois quase tudo me satisfaz. Mas como você vai ficar indeciso em que presente me dar, aí está, mais ou menos, o que não me satisfaz:
1 – Não sou muito chegada a brinquedos, pois injou logo.
2 – Não gosto muito de bonecas.
Mas aí está algumas coisas que me satisfaz:
1 – Roupas
2 – Lembrancinhas
Acho que a partir  dessas informações, você tem, mais ou menos, alguma ideia do me dar.
Obrigado
Nara (11 anos)
Querido Papai Noel
Fiz esta cartinha com amor. E eu quero ganhar 3 presentes de Natal. São estes:
Pistola leizer ziliam ou metraleizer ou metralhagua
Disco da Angélica
Pega peixe
Agora vou falar uma coisa pra você. É um poema
Os peixes perdem as escamas
Os patos perdem as penas
E eu perco meu tempo
Amando quem não me ama
Gostou? Achou bonito? Eu também!
Agora para terminar esta cartinha te falo uma coisa:
Se a gente escreve carta para você, você nos dá o brinquedo. Mas junto do meu brinquedo, quero a sua assinatura.
Feliz Natal Papai Noel
Mariana (9 anos)



1989
Papai Noel
Eis aqui a lista do que desejo ganhar no Natal:
Lenço 1,50 m x 1,50 m (para fazer a blusa)
Joias
Porta-joias
Pequenas lembranças
Livros
Agora, é só escolher!
Obrigado
Nara (12 anos)
Papai Noel
Você vai ter 12 opções e tem que me dar 2 opções ou mais.
ESPERO RECEBER OUVIU? QUER DIZER QUE LEU. POIS É BOM
I – Um auque men com radinho do lado
II – Uma mochila resistente e bonita
III – Um rádio igual ao de papai
IV – Meu primeiro gradiente
V – Um estojo com vários truques
VI – Uma caneta de 10 cores
VII – Uma espada nova e resistente
VIII – Uma pasta de papel carta com 100 plásticos
IX – 30 dólares
X – 500 cruzados novos
XI – 3 fitas de rádio vazias
XII – Uma fita de rádio das paquitas
PENSE BEM
Mariana (10 anos)
(respeitado o tamanho de letras da autora na recopilação)



Agora chegam Paula e Elisa (as netas) e Papai Noel retorna. Os presentes, já não são colocados nos sapatos. Papai Noel chega à noite da véspera do Natal, entra em casa com um grande saco de presentes nas costas e distribui para todos, sempre perguntando à meninada se se comportou bem durante o ano, se obedece aos pais, etc. – todos santinhos nesta hora.


sábado, dezembro 17, 2016

Art é avô!...




Gael Paradiso Barreto nasceu dia 14/dez/2016.

Filho de Caio, neto de Art...




E no dia seguinte... com o olhão aberto.


Bem-vindo Gael!...

segunda-feira, dezembro 12, 2016

As colchas - Primeira Etapa - De tricô (Família Viana)


Postagem no whatsapp em junho de 2016. Este foi o start.


"Quando estavamos com Celinha na Alemanha, eu e mainha, vimos uma colcha de tricô forrando uma poltrona. Mas o desafio é o seguinte, todas as pessoas da família fazer um quadrado de tricô de 20 x 20 cm, depois me enviar para fazer uma colcha de retalho de tricô que será sorteada entre os participantes. Lembrar que estão todos convidados, homens e mulheres.
Para ter o controle, favor informar quem quer participar. Vamos dar um prazo de dois meses a partir de hoje.
Uma colcha de solteiro precisa de 91 quadrados de 20 x 20 cm. As cores são livres. Só preciso saber qual o tipo de lã para ficar padronizada"

Mainha lembrou que era um sonho de Vovó Amélia fazer uma colcha desta.

Bem, o prazo aumentou um pouco, terminamos a aventura agora em dezembro/2016.

Algumas conversas no whatsapp durante a confecção dos quadrados.

Pois é, sempre uma surpresa, teve quadrados extraviados no correio da Alemanha para cá, mas ainda deu tempo de Celinha fazer mais dois e participar, teve muita gente que falou que não ia fazer e conseguiu. Meus parabéns a todas as meninas que se esforçaram.
Afinal, eu mesmo tive que aprender a fazer tricô,
Realmente é um desafio, e todo desafio é válido.
Senti falta dos meninos. Ainda nos tempos de hoje os trabalhos manuais são feitos só por mulheres. :(
Quem fez mais quadrados foi tia Ana e dona Norma. Eu fiz 7, Alyria, Aninha e Joana fizeram 3. Como misturei os quadrados tem alguns não identificados. Ahh, a emenda foi idealizada por Dona Norma.
E agora vamos ao resultado.



QUANTIDADE DE QUADRADOS 20X20 CM :  Não sei com quantos paus se faz uma canoa, mas de colcha agora estou entendendo. Foram 80 unidades (10un x 8un). Deu uma colcha de casal.

PARTICIPANTES: No total 36, veja se esqueci alguém.

SORTEIO : 
*  Sugestão de data :  24 de dezembro de 2016 (sábado)
* Como vai ser o sorteio : Através deste site. http://www.sorteador.com.br/
* Quem vai sortear :  Sugiro que tia Ana faça o sorteio por ser a mais velha
* Como o sorteio vai ser on line, na hora o mesmo deverá ser filmado ao vivo e colocado no whatsapp da Família da Pesada





sábado, dezembro 10, 2016

De príncipes, princesas e brinquedos...

Segundo Noélia antigamente nasciam meninos e meninas, depois passaram a nascer príncipes e princesas... aí então a educação que já era difícil, ficou impossível.
Deve ser por isso que tenho a  maior dificuldade para comprar presentes para uma criança nos dias atuais.  Geralmente os príncipes e as princesinhas têm tudo e em excesso.  Além disso, como concorrer com celulares, vídeo-games e outras novidades do gênero?.. se todos já nascem digitando?...

Bia, quando nasceu era uma verdadeira princesinha, primeira filha, primeira neta , família grande, cheia de tias, primos e primas e que gostam de presentear... Basta dizer que os presentes que ela ganhava na minha casa, ficavam lá mesmo... Depois veio Let e a tradição continuou. Fizemos uma caixa de madeira com rodízios para guardar os brinquedos, que circula pela casa e as vezes é usado como carrinho..
Bia

Nada de brinquedos sofisticados, eletrônicos ou dependentes de bateria.  Tinha um jacaré (v.foto) que deve ter sido o brinquedo mais resistente do mundo.
Tom e o Jacaré


Ao longo desses 10 anos quantas crianças brincaram com essa parafernália: Bia, Let, Juju, Tom, Enrico, Joaquim, Malu, Nanda, Duda, Mateus, Daniel, Samuca, Aliane..  Vez em quando um deles chegava com algum brinquedo e esquecia aqui, mais um na caixa...

Brinquedos simples, vistos ocasionalmente, sempre parece novidade.
A caixa de brinquedos


Pensei recentemente em desfazer de tudo. E as novas crianças, como ficam?.. Tem Lara e Alice pra começar. Melhor refazer. Aproveitando o momento natalino, descartei quase tudo, inclusive o jacaré que já estava semi-morto. Comprei novos, tudo fácil, unissex e barato (xô crise!) e enrolei em forma de presentes.. Bem que procurei o jacaré, encontrei um semelhante. E assim.. vamos encher a caixa!...

Que venham novos príncipes e princesas!...

segunda-feira, outubro 31, 2016

Túnel do tempo















Identificados:

1. Alvinho
2. Fernando
3. René
4. Lula
5. Hamilton
6. Isabel
7. Iris
8. Noélia
9. provavelmente Célia