domingo, março 26, 2017

As colchas - Segunda Etapa - De crochê (Família Barreto)


Depois de um tempo finalmente saiu a nossa colcha de retalhos de crochê. 
Bem, o sorteio vai ser em Salinas agora na Semana Santa. Dilza estará lá nos esperando para este grande acontecimento.

Mas sempre temos que contar a história desde o começo.

Bem, e já vai quase um ano. Eu e mainha estávamos em maio de 2016 na Alemanha na casa de minha prima Celinha, quando, ao ver uma colcha de retalho de tricô, tivemos a idéia de fazer com a família.

Lançamos a idéia que foi bem aceita. 

Na família de meu pai, como vocês podem ver em postagem anterior aqui no CA, a colcha foi de tricô e a participação foi bem maior, deu uma colcha de casal e no sorteio quem ganhou foi minha prima Ivete que mora em Belém. A cocha foi enviada pelo correio.


Colcha da Amizade
Na família de minha mãe, por sugestão de Pat, resolvemos fazer de croché. Muita gente duvidou do resultado. Achavam que ia ficar muito feia, sem planejamento, cada um fazendo um quadrado diferente, muito colorida, bem, podemos que ficou muito bonita.

Ah, e uma grande susrpresa, tia Noe fez uma faixa de croché com o nome de todos os participantes. Esta faixa ficou no meio da cocha. Vemos os seguintes nomes : Anete, Júlia, Norma, Luciana, Janete, Joana, Ana, Lilian, Noélia, Dilza, Ana Paula, Cristina, Nadima (amiga de Charles), Charles, Andressa, Vanessa e Isabel. Total dos participantes, 17 pessoas.

No total foram 80 quadrados, como não teve muitos participantes, eu, tia Noe, Mainha, Lilian, Janete e Joana fizemos uma faixa inteira (no total 60 quadrados), o restante do pessoal fez os 20.
E as histórias são muitas.

01 - Charlão foi o único homem da família a participar. Aprendeu com a professora Nadima que participou da elaboração da mesma

02 - A história de Ana Paula. A primeira vez que a prima pegou na agulha pensei "Xiii, esta aí não tem futuro", quando falei isso ela reagiu, encarou como um desafio pessoal e se superou. Aprendeu mesmo.

03 - Zéu e Sandra até que tentaram, mas não deu. Valeu a tentativa.

04 - Janete jogou duro, aprendeu na internet, não queria parar mais, fez mais de 10.

05 - Tininha foi "The Flash" , aprendeu rápido demais.

06 - O quadrado de Bel foi feito na década de 60, ela achou um flor que ela tinha feito e tia Noe completou o quadrado. Ficou lindo.

07 - E o projeto só saiu garças ao esforço das organizadoras e remendadoras. Eu e tia Noe perdemos algumas noites emendando os quadrados e fazendo acabamento. 

08 - Tia Noe conseguiu com muito custo que  Dilza fizesse 03 quadrados

09 - O São João em Salinas reuniu pela primeira vez a família fazendo croché. Muito empolgante.

10 - Esta colcha é em homenagem a vovó Amélia que tinha este projeto em mente e que infelizmente não conseguiu realizar em vida.



6 comentários:

Anilza Cristina/Nil disse...

Adorei!... parabéns as artesãs e artesão.

Bel B disse...

Quando vi alguns quadrados soltos, achei que não ficar bonita, justamente pela falta de combinação de cores... Surpreendente! Ficou muito legal! Parabéns a todos participantes!

Fernando disse...

Toda art tem um valor e toda tentativa é válida.

A beleza estar no conjunto.......quem faz e o resultado

Parabéns a todos.

Fernando

Anete disse...

Gente, as fotos não estão mostrando nem a metade da beleza de ver a colcha ao vivo. É muito mais bonita pessoalmente :)

Anônimo disse...

A "véia" Cecilía era mestre nesse negócio de "colcha de retalhos". Se ainda estivesse aqui, certamente aprovaria o trabalho. Muito bonito!

Ipê, madeira que dá em doido.

eleusa disse...

Essa Isabel, é Isabel Cristina Barreto? Só vendo para crer.
Depois pegou um a flor feita na década de 60.
Oh história mal contada!!!