segunda-feira, junho 24, 2013

Golpe do telefone

Já ouvi mil histórias de sequestro por telefone, sempre pensei que nunca iria cair nesta.
No meu caso não foi sequestro, foi golpe por telefone.
Ligaram a cobrar, atendi e falaram "Oi prima, prometi e já estou chegando aí", perguntei quem estava falando e na mesma hora me lembrei que tinha falado com tia Nilva que se Cencinho quisesse passar uns dias aqui no Rio que podia vir.
Falei o nome "É Censinho?" (mainha até gritou de dentro para não falar nome, mas eu já tinha falado), ele respondeu que sim, mas que o carro tinha quebrado no Km 12 e me pediu para ligar para a oficina que ele tinha mandado a peça para consertar para ver se já tinha mandado o socorro. 
Me deu o número liguei para a "oficina", lá me pediram para confirmar o nome dele e da onde ele era e disse que dentro de 7 minutos o socorro já estava chegando. Logo depois "ele" ligou e veio dizendo que o conserto deu mais que ele esperava, e que ficou faltando mil reais e a "oficina" não aceitava cartão de crédito e quando ele chegasse sacava e me devolvia. Como prima prestativa corri para fazer o depósito na internet mas o limite era de R$ 500,00, fiz a transferência, liguei confirmando para o número 62-8254-3457 e fui para o caixa eletronico depositar o restante, chegando lá liguei do meu celular para confirmar e fui para o Vigilante. 
Quando estava na reunião me liga de novo pedindo mais 2 mil reais, falei que não tinha e liguei para minha prima Cirleide irmã de Cencinho, ela achou estranho ficou de ligar para ele, pouco depois ela me liga dizendo que falou com Cencinho e ele estava no Rio Grande do Sul e me deu o telefone dele, liguei para ele e aí vi que a voz era totalmente diferente. Só aí descobri o golpe. 
Liguei para o fone fácil Bradesco e a atendente disse que ia bloquear a transferência e que era para ir no banco na segunda.
Quando fui no banco disseram que não poderia me ajudar que o máximo que poderia fazer era entrar em contato com o dono da conta (o ladrão) para ele autorizar o estorno.
Estou ainda em choque, já fiz a ocorrência mas no Brasil não podemos esperar nada, a polícia não faz nada, o problema é seu. Isto é, meu. Sem solução.


7 comentários:

Bel B disse...

Conheço alguém aqui em Salvador que caiu neste golpe. Igual. Disse que era primo, ela falou o nome e no final caiu em R$2000,00.
Incrível, quando a gente ouve alguém contar, pensamos que não acontece com a gente.

Fernando disse...

Ajudar é nobre....................
Fique sabendo que a vida do sabido corre muitos risco e curta.

Fernando

Tereza disse...

Oi, Anete.
Eu já caí nesse golpe. Quando ia depositar mais dinheiro para meu "sobrinho" (o golpista), fui salva na banca de revista por uma promotora, que quando me ouviu contando para o Carmelito (dono da banca), pegou meu celular e falou com o bandido. O mínimo que ela disse com ele foi vagabundo. Liguei para meu irmão (pai do meu sobrinho de verdade), que mora em Brasília e ele me disse que o que eu podia fazer era um BO e pedir que a polícia desse um jeito de interceptar o dinheiro antes que este chegasse ao presídio. Pois bem, de nada adiantou BO nem meu pedido desesperado. O meu dinheiro já enviado foi parar no presídio com certeza e virou insumo para os bandidos cometerem mais crimes. Isso é o que me deixou mais triste: saber que meu dinheiro serviu para ajudar a bandidagem

Anete disse...

Pois é Tereza, vejo o descaso da nossa polícia, com certeza ninguem leu o BO, sempre tem casos mais importantes do que este, assasinatos e roubos maiores que eles tbám não vão resolver, não há metas nem comprometimento das pessoas que trabalham nestes órgãos. É um descaso do poder público conosco, pagamos muito imposto e o que temos de volta é zero. Já nos conformamos a nem ter respostas das nossas reinvidicações, nossos direitos.
Há, para resolver alguma coisa aqui no Brasil, temos que conhecer alguém importante, somos um povo sem direitos mas com muitos deveres.

eleusa disse...

Pois é Anete, vou ser solidária com você. Eu jamais iria contar isso aqui no CA pq tenho vergonha de mim mesma de ter caído num conto desse. Qdo alguém me contava eu sempre falava: não acredito que vc caiu num conto tão manjado. Pois é, eu tb caí, mas tive o final mais feliz. Qdo acabei de transferi o dinheiro o Alvaro me disse, vc tá louca é golpe. Foi aí que eu acordei. Só que eu transferi para a CEF e como vc sabe sou aposentada de lá e tenho mais facilidades. Imediatamente liguei para o gerente, ele bloqueou, eu fiz o BO e o dinheiro foi retornado pra minha conta. Por isso digo que o ditado mais certo é "nunca diga que dessa água não beberei"!

Fernando disse...

Álvaro, volte para casa para tomar conta desta mulher... Martins caindo em conto do vigário... Quem foi o primo? por acaso fui eu?

Alvaro Risso disse...

Fernando, é o segundo Martins q vejo cair em conto como esse. A primeira, pelo menos, estava tentando comprar um bilhete premiado e aí era lucro. O remédio que eu sugiro para essas pessoas, é assistir aos programas do Datena, Marcelo Resende ou similares. Assim vão ficar expertas contra os golpes.
A única coisa q não concordo com a Anete, é de se colocar a culpa na polícia. Ela pode fazer muito pouco nesse caso. Não quero colocar a culpa na vítima, como fazem os políticos (responsáveis pela situação atual), polícia (tiram o seu da reta) e dos ditos "operadores do direito", (que contribuem com suas "ações" para o descalabro criminal do país), mas ela instruiu perfeitamente os golpistas. A única informação q eles tinham, e era um chute, é q ela teria primos. Todo o resto foi ela que informou. O caso da Eleusa foi idêntico. O dito, "faça o bem e não olhe a quem" deixou de ter validade há séculos.