sexta-feira, janeiro 11, 2013

E por falar em Ayn Rand - dois romances monumentais

Um dia navegando pela internet despreocupadamente caí num site em que o autor fala de suas listas de livros, filmes e poesias preferidos. Ele considera o livro A Nascente, de Ayn Rand , disparado, como ele afirma, o melhor, o preferido dele. Fiquei curiosa e descobri  em seguida, que Ayn Rand, além de escritora era roteirista e filósofa. Sua filosofia defende o individualismo a todo e qualquer custo, idéias consideradas como um egoísmo racional, tais como, o homem deve definir seus valores e ações a luz da razão, um individuo não deve se sacrificar-se por outro nem esperar isto de outros e a defesa da propriedade acima de tudo.

A Nascente é um livro de 800 páginas, em que a autora começa a desenvolver o que viria a ser mais tarde a sua filosofia: o objetivismo. Ela fez uma pesquisa ampla e profunda sobre arquitetura, uma vez que o herói da história é um arquiteto, Howard Roark, um sujeito completamente racional, intransigente, íntegro, com sua autoconfiança inabalável. Sofre muitas injustiças, mas não desvia um milímetro das suas convicções ferrenhas. Em minha opinião, ele deveria ser um pouco mais flexível, mas não, a história do livro é mostrar como este homem triunfa, o que ele é, o que ele quer e o que ele consegue, sempre em paz consigo mesmo, sem importar com que os outros pensam ou sentem.

Ayn Rand era atéia e acreditava piamente na capacidade do homem: “Já ouviu com que prazer as pessoas citam alguma grande celebridade que proclamou que não é tão grande quando olha para as Cataratas do Niágara? É como se elas estivessem estalando os lábios de pura alegria pelo fato de que as melhores pessoas são como poeira diante da força bruta de um terremoto. Como se ficassem de quatro esfregando suas testas na lama, em homenagem à grandiosidade de um furacão. Mas esse não é o espírito que controlou o fogo, o vapor, a eletricidade, que atravessou oceanos em barcos à vela, que construiu aviões e represas... e arranha-céus. O que eles temem? O que aqueles que amam rastejar, temem?” (texto de A Nascente)

Comprei o segundo livro A Revolta de Atlas, em torno de 1200 páginas, best-seller há 50 anos, com 11 milhões de cópias vendidas no mundo. Um texto na capa diz que este é considerado o livro mais influente nos Estados Unidos depois da Bíblia, segundo a biblioteca do Congresso Americano. Foi publicado pela primeira vez em 1957. A história se passa numa época em que as forças da esquerda estão no poder. O mundo cheio de repúblicas populares, a intervenção do Estado na iniciativa privada, e a economia caminhando para o colapso. Começa então um movimento dos empresários que tomam ações para modificar a situação. Oposicionista ferrenha do socialismo, a autora, defende atitudes do individuo contra o Estado ou contra qualquer tipo de religião que obrigue as pessoas a abrir mão de seus direitos.

Dois romances monumentais que li em 2012. Valem a pena.

4 comentários:

Anete disse...

Fiquei com vontade de ler ambos, creio que 1000 vezes melhor do que os tons.

art disse...

Ayn aprendeu o que era comunismo bem cedo. Com dez anos viu o pai perder tudo em prol do "povo" representado pelos bolcheviques. A história pessoal dela é impressionante, e quando viu o que Stalin faria com as minorias na Rússia, se auto exilou nos EUA em 1926, recomendo fortemente os livros, que como Bel disse é best seller desde a década de 50, comprei uma nova edição agora (sextante).

Luladasequacao disse...

Assim eu nao dou conta! Cad vez que eu leio um livro da moda aparece outro! 50 tons foi mais facil.

Eu nao li Ayn Rand, vou dar meu palpite baseados em sumarios (Bel o seu sumario esta otimo, comparavel com Wikipedia)

Gosto da posicao de Ayn Rand que nao so a independencia e essencial, mas voce tem que assumir os resultados dos seus atos. O culpado e o governo, a seca, meu pai etc. nao cola. Voce e um ser racional e inteligente dono do seu destino. O fatalismo da igreja catolica que o brasileiro mesmo nao catolico adota esta errado. Quando algo errado acontece sua primeira pergunta e "eu poderia ter previsto isto?"

Por outro lado ela assume um anti-facismo e anti-totalitarismo que e facista e totalitario! Nao concordo, a vida e a arte do compromisso e equilibrio. O governo faz muita coisa ruim, mas tambem faz coisa boa. A proxima pergunta e "se e tao ruim assim porque existe?"

Bel B disse...

Anete, eu estou aposentada, tenho tempo para Ayn Rand e para os tons..rsrs e para muito mais. Quando o blog estiver parado vou postar sobre outros livros que li em 2012..

Acho que os livros de Ayn Rand são best sellers desde os anos 50, no mundo. Aqui no Brasil estavam fora de catálogo há algum tempo e a Editora Sextante reeditou.

Quanto ao comentário de Lula, acho que a autora é contra o Estado que interfere nos direitos do cidadão, como Cuba, por exemplo. O cidadão não pode viajar, nem vender sua casa, acho que nem escrever um blog....