terça-feira, dezembro 04, 2012

Desafio novembro

Quando Diego postou sobre o NaNoWriMo achei muito interessante, não é uma competição, não há prêmios, é um desafio pessoal. Não entrei no site para ver as regras, apenas resolvi criar as minhas próprias, bem mais modestas: escrever uma página por dia durante 30 dias, uma média de 500 palavras diárias, sobre qualquer assunto. O texto de hoje não tem nada a ver com o de ontem ou de amanhã. Queria sentir na pele o desafio de um cronista profissional que escreve diariamente, não importa o assunto.

Não me passou pela cabeça escrever uma novela, não tenho esta imaginação. Além de que uma novela necessita pesquisa, a exemplo de Art, que precisa estudar linguagem de época, etimologia, história, etc..

Eu queria escrever, sem compromisso com o leitor. Escrever como forma de terapia. Participei de um curso de autoconhecimento onde tínhamos que escrever muito, tudo que viesse a cabeça, e funcionava como uma espécie de catarse emocional. Enfim comecei o exercício em primeiro de novembro. Descobri que escrever e coçar basta começar. O problema é exatamente este - começar. Houve dias fáceis, quando já tinha pensado com antecedência, em outros dias, sentia o drama da falta completa de idéias. As vezes começava o texto por um assunto e terminava por outro diferente, outras vezes, por falta de assunto, buscava um evento do passado e simplesmente contava aquele “causo”. Apareciam então, várias lembranças que estavam escondidas o que me levava a refletir sobre aquele momento, o modo de pensar na época, os sentimentos, as convicções, os paradigmas. Neste ponto, acredito, é que o texto vira um o processo terapêutico. Escrevi também sobre livros, filmes, pessoas, viagens, etc..

Com poucos dias, Diego postou no facebook que tinha chegado a 10.000 palavras. Para mim estava longe. Fazia o cálculo aproximado e no dia 10/nov, quando imaginava ter escrito em torno de 5.000 palavras, descobri que o Word tem uma função para contar palavras, aha!... já tinha escrito 6.291. Que glória!...  Consegui escrever os 30 textos, no total 18.791 palavras e posso dizer que a experiência foi muito boa e recomendo, obviamente, para quem gosta de escrever, senão vira um sacrifício e perde o sentido.  Agora vocês já sabem, toda vez que o blog ficar sem novas postagens, eu largo um texto destes... Brincadeirinha!... alguns são secretos.

10 comentários:

Anete disse...

Pois é Bel, desisti no segundo dia, que coisa difícil escrever. Realmente é só para quem tem taleto e uma imaginação para lá de fértil. Meus escritos sempre são muito autobiográficos e como não tenho uma memória muito boa, fica cheio de falhas. A escrita para os escritores, tenho dito.

Diego Pinto disse...

Eu não fui muito longe também. Começou a vir a falta de inspiração e as outras responsabilidades da vida (Dentre elas Flaubert e Proust) e o livro foi ficando para trás. Terminei o NaNo com 20 mil palavras (Mais do que muitos, menos do que alguns). Agora que comecei a edição já cortei 4 mil e estou reescrevendo-as. Vai ser uma novela (No sentido literário, tipo A Metamorfose do Kafka, não Avenida Brasil) ao invés de um livro, mas já é alguma coisa. Talvez ano que vem chegue aos 50000, talvez não, mas pelo menos alguma coisa já fiz, e começar é, realmente, o mais difícil. Parabéns pelas suas palavras, Tia Bel!
Aliás, quando eu terminar meu livro e ele passar por alguns controles de qualidade, vou pensar em postá-lo aqui ou distribuir manuscritos haha :D

Diego Pinto disse...

O comentário foi com a conta errada, mas tudo bem. Eu perdoo o Google.

art disse...

Nossa que legal Bel. Recebi uma mensagem de uma editora que publica nossas coisas pessoais formatando em livro de cola e linhas. Caramba adorei o post.

art disse...

Escrever um diário é um bom início. Des-crever o que se vive.

eleusa disse...

Como vc me conhece, já estou curiosa. Faça o favor de começar a postar. E minha curiosidade ficou mais aguçada nos proibidos..kkkkk

Bel B disse...

Os 30 dias que passei escrevendo, foi como um diário, e fiquei um pouco viciada, pois agora aparecem palavras querendo ser escritas, então me lembro que novembro acabou...
Não reli os textos durante o processo. Agora quando o fiz, vi que realmente dá para cortar umas 5000 palavras...
Quando for publicando no blog, faço uma revisão/edição e corto o desnecessário, inclusive os proibidos, Eleusa... rsrs

Mariana disse...

Bel, Proibido é mais gostoso! Publica logo um dessa categoria para esquentar o blog!

Bel B disse...

Ô galera curiosa! Não se trata de nada proibido. São só sentimentos e pensamentos meus que não significam nada para os outros... Coisas que só Freud explica.

Fernando disse...

Eu tenho que rever esse diário antes de ser publicado.
Eleusa e Mariana vou internar.