terça-feira, setembro 04, 2012

Um Pouco de Seattle... Ponto de vista de uma “turista” brasileira... (Episódio 1 de 3)

“O que faz um brasileiro ir a Seattle?”

Para responder a essa pergunta, preciso fazer outra: “O que faz um brasileiro ir a Houston?”

Resposta: Negócios ou família. Quem acertou com certeza mora num desses lugares e tem parentes brasileiros ou é brasileiro e já foi lá visitar algum parente.

Meu voo saiu no domingo à noite do Rio de Janeiro rumo a Miami. Passei pela alfandega sem grandes complicações e até “troquei uma ideia” com o carinha que me atendeu. Depois disso a AA (american airlines) fez uma divisão de cores para colocarmos as malas de acordo com nosso destino, facilitando a vida dos viajantes. Até ai tudo fácil, porem quando a aeronave estava pousando a aeromoça começou a falar o nome de várias cidades seguido de letras e números. Claro que não prestei atenção, então fui ao balcão da AA e perguntei onde pegava meu voo para Houston. Não me recordo como consegui me localizar naquele aeroporto gigante, mas na dúvida sempre seguia as pessoas que saíram do mesmo avião. É de assustar o tamanho do aeroporto, não tem como descrever a diferença tanto do tamanho como de alguns procedimentos adotados, bem diferentes dos nossos (por exemplo: a mala despachada é retirada pelo viajante numa área aberta onde todas as pessoas tem acesso.)

Só uma ultima observação do aeroporto de Miami: o povo fala inglês, espanhol, portunhol e português. As placas de sinalização estão em inlges e português... Depois de 8 horas de voo a noite e meio zonza fiquei um pouco na dúvida se era Miami ou algum lugar mais civilizado do Brasil...

Consegui localizar meu portão de embarque e lá fui eu de metro/trem dentro do aeroporto. Muito chique  ; )

Em Houston a espera foi longa e ainda bem, pois a diferença de 5 horas entre os voos deu tempo de achar minha mala e achar o guinche da Alaska (só abria as 2 da tarde... e eram 1 da tarde...). Minha mãe tinha comentado comigo que, por ser turista, não pagava a taxa da mala despachada... Claro que a atendente queria me cobrar a taxa e claro que eu não queria pagar mais 20 dólares. Depois de uma longa conversa de uns 10 minutos nos entendemos e saí contente com meus 20 dólares.

Em Seattle Célia e Nara foram me buscar.

Aguardem os próximos capítulos...

Um comentário:

Bel B disse...

Aguardando Episódio 2...