sexta-feira, outubro 03, 2014

O casamento está morto. Viva o Casamento!

O casamento está morto.

Na época que eu, primas e amigas estávamos casando, anos 70, pensávamos que tudo estava caminhando para a morte do casamento. Acho que um dos motivos era a não existência do divórcio.  Já tínhamos quebrado o paradigma do casamento vitalício. A mulher já tinha ido para o mercado de trabalho e assim acabado a dependência.
O divórcio foi instituído no Brasil  em 1977, assim mesmo só se concretizava após 3 anos de separação do casal e só era admitido uma única vez.  Que atraso! A modificação veio  na Constituição de 1988.
A própria cerimônia do casamento estava em baixa.  Preferíamos casar só no civil. As pessoas mais descoladas não casavam, juntavam.
Eu que pensava que o casamento estava prestes a morrer, hoje vejo os gays brigando para casar. Não se satisfazem com a união estável. Não dá para entender,  principalmente os homens que sempre pregaram que quem gosta de casamento são as mulheres.

Viva o casamento.

Anos mais tarde, a tradicional cerimônia de casamento voltou a moda e continua até hoje.  E tem pessoas  que casam várias vezes  com festa e  pompa.
Tradicional mesmo só a cerimônia, pois felizmente o casamento tem se modernizado.  Já não é necessário, nem possível, homem ou mulher abandonar tudo para acompanhar o cônjuge em determinadas situações.  Há de se pensar na vida profissional de ambos, na conveniência da família, na renda do casal, enfim busca-se a adaptar a situação em benefício de ambos.
Alguns exemplos de família: Ivan e Joana. Ele trabalha como consultor em várias cidades, deste modo só se encontram nos finais de semana. Iuri e Raissa. Ela, advogada, passou num concurso para Defensora Pública e foi para Itabuna e agora o casal também só se encontra nos fins de semana.  Leo e Alessandra nos primeiros anos de casados, também era assim, ela em Salinas, ele aqui.

Acho que é bom. Menos tempo juntos, menos rotina... fica parecendo namoro.

3 comentários:

Luladasequacao disse...

Concordo que o casamento nao esta morto nem deve estar. O valor do casamento e outras instituicoes, funcionam como sinais de respeito a nossa sociedade e as outras pessoas envolvidas. Quando voce casa esta dizendo ao mundo e o/a Parceiro(a), " e pra valer, vamos fazer dar certo...). Voce se "juntar" e ter uma relacao a longo prazo ate com filhos sem casar e covardia.

Por outro lado todas estas mudancas foram so superficiais. Mesmo com o casamento passando do "senhor de engenho" sem direito a divorcio para um casamento moderno participativo nao eliminaram os problemas a longo prazo.

A maioria das pessoas se casam hoje nao veem como o compromisso a longo prazo. Alguns de nos se iludem pensando "vai ser eterno, vou fazer funcionar...", no fim caem na real.

Porem a licao e que nada e eterno, cada dia e uma luta.

Proverbio Africano. (de The world is flat, Thomas Friedman)

Toda manha na Africa uma gazela acorda.

Ela sabe que vai ter que correr mais rapido que o leao mas rapido ou ela morre.

Toda manha um leao acorda.

Ele sabe que tem que correr mais rapido que a gazela mais lenta ou ele morre de fome.

Nao interessa se voce e leao ou gazela.

Quando o sol sai, precisa sair correndo.

Lula (dasequacao)

Anônimo disse...

No dia em que acabar o casamento toda criança éFP

Anônimo disse...

Essa história de ver a mulher só no final de semana, é piegas. O negócio é estar com a mulher todos os dias, todos os instantes, em todos os lugares. Amar, não é para todo mundo, é para aqueles que sabem negociar com o olhar, com um sorriso, com uma pequena lágrima que transforma os olhos numa verdadeira lua.
Viva o amor! Mas, se homem, por uma mulher! Se mulher, por um homem. Tenho dito!