terça-feira, junho 03, 2014

Fim de semana em Sampa

BMW JAZZ FESTIVAL
Todo ano procuro um motivo para passar um final de semana no Sul Maravilha, pode ser no Rio ou em Sampa.  É uma oportunidade para ver as pessoas, aproveitar a hospitalidade e ainda curtir um bom espetáculo.
Nos últimos anos tenho escolhido óperas e sempre encontro acompanhantes que mesmo sem curtir o gênero, me fazem esta gentileza.  Eleusa, por exemplo, não gosta e já foi a várias. No Rio, Pat já me acompanhou diversas vezes. Para sempre grata, nem sei como retribuir.
Este ano sugeri BMW Jazz Festival em SP e a turma prontamente topou :  Eleusa, Leon, Elaine, Melina e até Fernando.  Para dizer a verdade, não entendo absolutamente nada de jazz.  Nem curto ouvir jazz, mas já vi alguns espetáculos : em NY, na Alemanha e aqui no TCA com  músicos do exterior, e posso dizer, ao vivo sempre valem a pena.

A programação que vimos no sábado constou de 3 shows e durou quase 6 horas. Nada de jazz tradicional. O primeiro foi a banda Snarky Puppy  que toca uma espécie jazz-rock. Depois a SpokFrevo Orquestra, de Pernambuco, que toca jazz-frevo (se é que existe este gênero) e finalmente Bobby McFerrin que foi a grande atração da noite e apresentou músicas de seu mais recente disco Spirityouall, que segundo especialistas mistura folk, rock, blues e diversas influências,  sempre com a sua improvisação e exploração da voz humana.  Muito bom! 
Devido a longa programação perdemos a pizza pós-espetáculo.  

TOMBOS E QUEDAS
Desde criancinha costumo cair com certa frequência. Era comum ter os joelhos ralados nesta época. Além do sofrimento, ainda tomava bronca em casa. Lembro-me um domingo que caí três vezes no mesmo dia e fiquei de castigo sem poder sair o resto do dia. 
braço pós-queda


Diversas quedas ao longo da minha vida, algumas inesquecíveis pela graça ou pela dor.  Já não me lembrava da última  e pensei que estava livre do problema, mas sexta-feira em São Paulo, saí com Eleusa para ir a padaria perto de casa, e me desequilibrei  num degrau na calçada e resultado, fui parar no chão. Cai totalmente do lado esquerdo, o tombo foi grande.  Nem fiquei envergonhada  ou “sem graça”,  pois a dor foi tão grande que superou tudo.  Passei o final de semana tomando Dorflex e de volta a Salvador , fiz uma radiografia das costelas, felizmente tudo bem.
 Depois de adulta esta foi a pior de todas as quedas, até então,  tinha sido numa escada na Letto Móveis, grave, mas não deixou dores para o dia seguinte. 

6 comentários:

Anete disse...

Vixi Bel, esta queda foi punk. E olhe que no treino do skate tomei duas (uma escalada e uma queda), mas sem escoriações.
Mainha está aqui no Rio, chegou hoje. Aproveite para passar uma semana aqui também.

eleusa disse...

O fim de semana foi maravilhoso, fora a queda de Bel. Depois de certo tempo sem consegui levantar, eu até pensei que tivesse quebrado o braço e feito um corte na cabeça, pq realmente a queda foi brava.Quando ela levantou eu me permitir sorrir, pq quem resiste ver uma pessoa cair e não rir.
Pango por sua vez pagou propina para o Enrico ficar quieto sem falar e de olhos fechados para dormir. Fazer esse cara ficar quieto só mesmo por dinheiro. Quem o conhece sabe bem o sacrifício, mas ele levou a grana.

Igor Matos disse...

Ferna me contou que adorou as 5 horas de Jazz. Está doido para ter outro. Isso que é um cidadão culto.

Fernando disse...

Tem coisas que acontece na sua vida que não tem como justificar aos deuses.............

EU FUI PORQUE NÃO SABIA.....

O OTÁRIO

Anônimo disse...

1. Quanta gente bonita!

2. A foto parece mais ser de uma perna, em local estratégico, não de um cotovelo.

Alvaro Risso disse...

Na fila do gargarejo. Massa! Ainda quero ser assim da "zelite".