segunda-feira, junho 16, 2014

Copa do Mundo na opinião de quem não entende de futebol...

Conforme disse anteriormente meu trauma com Copa aconteceu em 1982, na fatídica derrota para a Itália. Parecia ter sido uma tragédia. Passados uns dias, parei para refletir e vi que não fazia sentido, afinal jogo  "ganha-se, perde-se e empata-se". Nenhum time é invencível e o futebol encanta por isto.
Nunca mais torci pra valer. Futebol é paixão e a minha acabou. Quando a gente racionaliza, perde totalmente o sentido. Durante o ano vejo papos e discussões de Bahias e Vitórias e penso, eles torcem pelo que mesmo? por uma bandeira? acho engraçado.

Arena Fonte Nova
Nas Copas seguintes passei a me diverti, sem sofrer. Gosto especialmente da parte inicial com todas as seleções ainda no páreo. Este ano com a Copa no Brasil tem sido muito legal, ver as torcidas enormes que vieram dos mais diversos países. Incrível a torcida holandesa em Salvador, as fotos e vídeos que estão pela internet realmente impressionam, até ônibus e carros da cor laranja. Os argentinos invadiram o Rio e a torcida inglesa em Manaus com as mais diversas fantasias. Os chilenos e colombianos aderiram  à moda de continuar cantando o hino quando a música para, como a torcida brasileira. Enfim, só festa! ( Nas Copas em outros países a TV só mostra a torcida brasileira, além de que Galvão Bueno costuma dizer que o mundo todo torce para o Brasil).

Vejo as pessoas que gostam de futebol comentando que os campeonatos internacionais de times atualmente são melhores que a Copa além de que os astros do futebol jogam nos times mais ricos, poucos em seus países de origem. Com o tempo a Copa do Mundo perderia o sentido. Acho que não, a Copa é a festa do futebol. Corresponde a um desfile de top models para o mundo da moda. É uma vitrine para o mundo dos melhores jogadores, inclusive jogando diferente do que estão acostumados nos seus times, então quando se destacam neste campeonato, sobe o valor do passe, surgem ofertas. Enfim, a lei do mercado. Esta bobagem de amor ao país, à camisa, faz parte do marketing. Simples assim.


Para não dizer que não falei da vaia, reproduzo um texto que vi  no Face:

O que realmente é engraçado: ver um bando de gente (conhecida, desconhecida, querida e nem tanto) que já foi estilingue (e meus olhos são testemunhas do quanto se mandou Collor, Itamar e FHC tomarem suco de caju), achando "feio" e "bobo" os xingamentos à atual chefe de Estado e chamando de "burro" o coro. Uma discussão de alto nível de ambos os lados, vamos combinar... rs 
Acho bacana mandar Dilma tomar suco de cajú? Não. Acho mal-educado. Por honestidade, tenho de dizer que já fui mal-educada no Fora Collor e em outras ocasiões. Contudo, desqualificar as vaias sob o argumento de que eram vaias dos mauricebas do Itaquerão é como se se dissesse que não há motivos para reclamar. Não?
Achar que vai a um estádio (que parece ter sido alçado a condição de igreja nos últimos dias) com toneladas de notícias sobre corrupção, desvios de finalidade pública e achar que vão dizer "ave, Dilma" faz parte de um delírio que acho que nem Lula, com todo o seu ego GIGANTE, teve.
Ah! É sempre bom lembrar: democracia sem barulho não é democracia. (by Irena Carneiro Martins )

Um comentário:

Anete disse...

Adoro o clima de festa, seja Carnaval, Ano Novo e até mesmo a Copa.
Gosto de festa.

Quanto às manifestações, tem que existir, Diego disse que hoje na Suécia está com greve nos trens.

O que o governo errou foi não ter comprado os ingressos e distribuido o Vale Ingresso, para os pobres, negros, indios, etc.

Afinal a gente paga imposto para quê?