sexta-feira, março 01, 2013

Guardar ou não guardar, eis a questão?



De tempos em tempos sempre é bom fazer um `5S`. A periodicidade vai depender do volume de velharias e do tamanho da casa (ou apertamento), e, claro, na capacidade individual de conter o impulso comprador ou guardador.
 
Sempre achei legal aquelas pessoas com poucas bugigangas, tipo os hippies de antigamente. Tudo cabia numa casa andante e tudo era utilizado sem grandes volumes e inutilidades. Hoje temos muitas coisas que nem sabemos direito sua serventia, quem nunca comprou uma roupa / sapato porque era lindo de morrer e NUNCA usou? Ou comprou determinado objeto e depois se perguntou que m... vai fazer com aquilo?
 
Pois bem, estou constantemente fazendo “faxina” e dessa vez veio a que eu menos queria me desfazer: meus recortes de jornal e etecetera. Após tanto protelar resolvi fazer o certo: pesquisar o que já estava no mundo online e me desfazer de pilhas e pilhas de papel amarelado e com cheiro não muito agradável. Resultado: várias lembranças e surpresas. Textos nunca esquecidos, mas nunca mais encontrados (estavam lá) e textos completamente adormecidos na memória, como este ai.
 
Quem não se lembra dessa música? Não me recordo do ano, mas tenho quase certeza que o apartamento de Robinho no Rio Vermelho era o Point do Zé Piau naquela época...
 
Não aceitei as sugestões de mudança do texto do word, Viva a liberdade literária...
 
MARCHA DO ZÉ PIAU
 
(bis)
Quando gringo chegou
Ô, ô, ô
Na terra de Salvador
Ô, ô, ô

Ele falou que depois de trabalhar
Toda galera se junta pra biritar
É hora do Happy Hour                    (bis)
 
(bis)
Mais ai veio a Vovó
Ô, ô, ô
Que não dá Pingo sem Nó
Ô, ô, ô

Disse pra gente que no sol de Salvador
Aonde o povo enche a cara de amor
Se fala é ZÉ PIAU                              (bis)

(bis)
Happy Hour, Happy Hour
Na Bahia é ZÉ PIAU

5 comentários:

Anônimo disse...

Guarda. Nem eu me lembrava da marcha. BLZ. duda

Bel B disse...

Que legal, não me lembro desta música. Será que eu conhecia?

Mariana, foi surpresa para mim saber que você guardava coisas deste tipo, mas como dizia Nica: não roubou nada, herdou.

Bel B disse...

Para alguns leitores que não conhecem a história de Ze Piau: Duda costumava passar férias em Salvador. Verão, todo dia tinha happy hour. Tia Nicacia ouvia o papo... e um dia ela perguntou "quem é este tal de Ze Piau? que todo dia Carlinhos encontra?"

Anônimo disse...

E o ano dessa marchinha foi muito legal!
Dudão estava a todo vapor inserido nos reggaes baianos. Ficou hospedado na casa de Charlão em Amaralina e a cerveja consumida por essa galera foi fenomenal!
Essa marchinha foi feita no verão de 2003. Foi o ano que David passou uns dias com Dudão e fez amizade com João (da França). Dessa amizade saiu várias resenhas.
E além de Robinho, Dudão, Charlão, lembro que Léo, David, João, eu também demos vazão a criatividade para contar a história do Zé Piau.
Lembro que João queria colocar um refrão na marchinha a todo custo e ele cantava de um lado e Léo, do outro lado, ameaçava retirar sua autoria da musica se ficasse daquele jeito.
E assim foi, todo mundo dando opinião.....
Além disso teve a lavagem, com carro de apoio, camiseta padronizada, uma bandeira enorme com a caricatura de Zé Piau (que hoje está estendida no sofá de Dudão) , a família toda reunida ... alguém tem as fotos? Essa história merece um post especial.
Quanto a sua pergunta, Mariana - acho que deve guardar sim.... se não quiser entulhar papel em casa, manda pro Caravana.
Karla

Fernando disse...

Tem que fazer história...............parabéns
Fernando