quarta-feira, fevereiro 06, 2013

Califa - Memórias de Formandos de 1958

Achei na internet este artigo da Gaz. méd. Bahia 2008 escrito pelo colega José de Souza Costa sobre a formatura de tio Elifaz. Vou colocar algumas partes interessantes e anexar o artigo para quem quiser ler.
http://www.gmbahia.ufba.br/index.php/gmbahia/article/view/977/955




Os Médicos-residentes de Cirurgia de 1959: José Costa, Medrado, Elifaz


e Ernesto, com Fernando Didier, na entrada do Hospital das Clínicas.



 




Com perdas de ano, repetências e transferências, formaram-se,com solenidade, em 1958, quarenta e dois médicos, cuja
relação se segue:

Agnaldo David de Souza
Alix Reis de Menezes
Almério de Souza Machado
Augusto Sampaio de Souza
Aurelino Alves Barreto
Clariezer da Silva Vicente
Clóvis Humberto Sampaio
Décio da Silva Bacelar
Djean de Souza Bessa
Edgard Augusto Lopes
Elifaz Andrade Matos
Elza de Araújo Barros
Ernesto Simões da Silva Freitas Neto
Fernando Antônio Mendes Façanha
Fernando Bullos
Fernando Maurício de Lira
Geraldo Gentil Baraúna de Castro
Ival Dalmo Duarte Alves
João Gilvan Rocha
João Jerônimo Cabral Fagundes Neto
João Rubem Nunes dos Anjos
Jornandes Correia Leite
José Iracildo da Franca
José Leopoldo Valverde
José Palma Luz
José de Souza Costa
Lívia de Macedo Rocha
Luiz Carlos Medrado Sampaio
Marco Aurélio de O. Barros
Maria Angélica da Rocha Teixeira
Maria Ophélia Galvão Araújo
Maria Zélia da Silva Rocha
Mauro Ferreira Camargo
Nelson Ribeiro de Alencar
Raimundo Batista Barbosa
Sérgio Guimarães Rabello de Oliveira
Sílvio Luiz Santos Marques
Suzana Alves Ribeiro
Tereza Ferreira Apoliano
Vilberto Pereira Borges
Walter Costa Amorim
Wanilda Lúcia Carneiro do Amaral





" Éramos nove recém-formados, todos colegas da mesma turma de ingresso na Faculdade, com exceção de Marco Aurélio Barros, que a ela se incorporara por transferência, 8 homens e uma mulher, Tereza Apoliano, cearense destemida que voltou à origem ao término do seu treinamento e que até hoje mora em Fortaleza, divididos em 5 residentes de Clínica Médica e 4 de Cirurgia. Dos que aqui permaneceram, Ernesto, Agnaldo, Medrado, Almério e eu ingressamos posteriormente no magistério nesta escola. Marco Aurélio tornou-se titular de Cardiologia na Paraíba. Somente Elifaz Matos e Vilberto Borges, este falecido muito jovem em conseqüência de um choque anafilático, foram clinicar no interior do Estado da Bahia, nas cidades de Vitória da Conquista e Jequié, respectivamente."


 
 
"Passara, nessa altura à categoria de Interno, tanto da Clínica Ginecológica, dirigida pelo lendário e respeitado Prof. Alício Peltier de Queiroz, ao lado de José lracildo, como sempre, e de Elifaz Matos, como da Nita Costa, agora sob o comando seguro do futuro titular de Obstetrícia, Prof. José Maria de Magalhães Neto, cuja vida, a partir de então, se entrecruzaria com a minha em diferentes oportunidades, às vezes como chefe, outras como colega ou auxiliar:"

2 comentários:

Bel B disse...

Surpreendente 20% de mulheres entre os formandos... Pela época, esperava menos.

Celia disse...

Adorei o artigo. Também achei interessante o número de mulheres e nenhum comentário sobre o assunto, pois pareceu normal o fato. Quase 20 anos depois, eu estudava engenharia em São Paulo e as mulheres não circulavam muito bem nesta área. Nunca tive uma professora na universidade. Quando fiz vestibular (1970), em 600 vagas para todas as engenharias, entraram 20 mulheres, um sucesso, uma vez que no ano anterior entraram apenas 6.