quinta-feira, janeiro 17, 2013

Nova - Dieta da Proteína

Depois da postagem das fotos de Anete, Pat e Diego acredito que todos ficaram bastante animados e surpresos com os resultados obtidos em tão pouco tempo. Em janeiro saiu uma reportagem na revista VejaRio que também me surpreendeu muito, o relato de uma jornalista que pesava 127kg em maio/2012 e terminou o ano com 82kg. - 45kg em praticamente 6 meses, quase uma "Mariana".
 
Não me enquadro como ex-gordinha (1,58 de altura e peso máximo 59kg) e gostei muito do relato dela, pela inreverencia da escrita e por jamais ter imaginado algumas dificuldades que só os gordos passam. É interessante ver a página na internet, ao inves de vigilantes do peso ela fez uma dieta da proteina mais bem elaborada. Boa leitura! (http://vejario.abril.com.br/edicao-da-semana/diario-dieta-verao-reporter-veja-rio-fernanda-thedim-729878.shtml)
 
Parte do relato dela: O salão do restaurante estava lotado e o único lugar vago era em um banco de madeira. Parecia confortável o suficiente para o almoço de domingo com os amigos na recém-inaugurada galeteria do Jardim Botânico. Pedidas as bebidas e os pratos de entrada, ouve-se de repente um estrondo que atraiu todos os olhares. Na minha direção. As pernas do móvel não suportaram meu peso e se partiram ao meio. O artefato ruiu como se tivesse sido implodido. E lá estava eu estatelada no chão em meio a um silêncio esmagador que tornava a situação ainda mais humilhante. Só conseguia pensar na queda das Torres Gêmeas — como se eu mesma fosse um edifício recém-desabado. Quem assistiu à cena tentava disfarçar o constrangimento enquanto outro banco era providenciado. Aos poucos, o burburinho do salão voltou e o papo engatou novamente. Gostaria de dizer que essa foi a primeira vez que passei por isso, mas não foi.
 
Aos 30 anos, eu estava pesando 127 quilos. Com esse peso, situações corriqueiras, como sair para um simples almoço de domingo com os amigos, podem se transformar em um filme de suspense. Tanto que eu já havia criado algumas táticas de sobrevivência. Da entrada no restaurante até a escolha da mesa, eu tinha segundos preciosos para investigar o terreno. Em instantes, encontrava o lugar mais resistente para me acomodar. Se houvesse um sofá ocupado, pedia para trocar com quem estivesse nele. Se a cadeira fosse de madeira, prestava atenção à espessura das pernas e ao tamanho dos parafusos. Se fosse de plástico, era pura adrenalina. O pânico do ridículo era constante, em todos os lugares. Não sabia se o cinto de segurança do avião ia fechar, se conseguiria passar pela catraca do ônibus sem ficar entalada. Fora as desculpas rotineiras para as vendedoras de lojas — como dizer que uma calça não vestiu bem quando na verdade ela nem passou pelo joelho. Ser obeso é muito mais difícil do que as pessoas imaginam.

5 comentários:

Bel B disse...

Não se tratava de obesidade, mas já passei por esta situação da cadeira quebrar. Estava no Rio de Janeiro a trabalho e fui jantar com uns colegas no Alvaro's Bar, no Leblon, nem sei se existe mais, mas na época era badaladíssimo. A cadeira simplesmente abriu as pernas e eu fui para o chão. Quando tudo resolveu e eu já estava sentada em outra cadeira, um colega perguntou "Você importa se eu sorrir?".. Eu respondi que não. Ele então passou uns 10 minutos rindo e eu com cara de boba...

Mariana disse...

Nossa... "Voce importa se eu sorrir?", foi excelente. Eu já teria explodido na gargalhada ; )

Igor Matos disse...

Dieta só existe uma que chamo de Dieta Termodinâmica, ou seja, quantidade de energia que entra tem que ser menor do que a que sai. Cabe a cada um buscar a melhor forma de manter o balanço de massa/energia a seu favor, se vai ser com dieta da proteína, vigilante do peso,só é gordo quem quer, isso não importa.

Bel B disse...

Eu concordo com Igor. Qualquer pessoa que esteja realmente querendo emagrecer, descobre sua dieta e consegue. Muitas vezes tem que ser personalizada, com um nutricionista para balancear de acordo com o que a pessoa gosta. Mas tenho visto que a cirurgia bariátrica está cada dia mais banal, aqui no Brasil, não sei se fora também...

CB disse...

Eu to vendo que investir nas gordinhas é negocio..