quarta-feira, setembro 15, 2010

IT´S OK TO BE OK

Passei o ultimo final de semana em SP, especialmente para assistir o encerramento do curso Processo Hoffman da Quadrinidade, do qual Ivan participou. É um evento onde os participantes dão um depoimento sobre o referido curso.
Passei por esta experiência em 1998. Trata-se de um curso de imersão em autoconhecimento, realizado num hotel geralmente numa cidade do interior, onde os participantes ficam por 8 dias sem contato com o mundo externo. Nada de telefones, televisão, internet, música, jornais. Nem livros são permitidos.

A teoria em que se baseia o Processo é que nós somos formados por 4 partes (quadrinidade): o ser intelectual, o ser emocional, ser espiritual e o corpo físico. Os dois primeiros são semelhantes ao Pai e a Criança da Análise Transacional, uma terapia muito badalada nos anos 70. O ser espiritual, sem nenhuma conotação religiosa, seria a nossa essência, a parte boa, não afetada pelos seres intelectual e emocional. É nesta parte que somos todos iguais.
O Processo trabalha ainda com os conceitos de Programação e Amor Negativo. Isto é, nosso comportamento se deve ao fato que fomos programados na nossa infância para adotar o comportamento dos nossos pais biológicos e substitutos (pessoas que influenciaram na nossa educação). Este comportamento pode ser positivo ou negativo e algumas vezes por não o aceitarmos, fazemos totalmente o oposto, isto é ou imitamos ou nos rebelamos.
O Amor Negativo é quando adotamos os comportamentos negativos dos pais, e quando adultos repetimos estes comportamentos de forma automática, reagindo como criança, agindo compulsivamente, repetindo padrões que muitas vezes não gostamos, mas não conseguimos nos livrar.

Através de técnicas e exercícios (viagens mentais, programação neurolinguística e exercícios escritos) passamos então por um processo de revisão na nossa infância para entendermos todos os nossos padrões de comportamento. A partir do segundo dia, esquecemos todo o mundo exterior e nos voltamos a nós mesmos. É uma verdadeira catarse emocional e no final somos recompensados por uma visão otimista de ver a vida de forma muito mais construtiva e com a consciência que nós, somente nós, somos responsáveis por nossa própria vida.

Quando termina o curso, saímos todos zen, leves, flutuando, como estavam Ivan e seus 30 colegas de turma. Nos depoimentos todos eles estavam visivelmente emocionados e alguns nem conseguiam se expressar direito. Perguntaram-me então se os efeitos são duradouros ou se esquecemos tudo em uma semana, como ocorre com outros cursos. Eu tenho a impressão que depende da pessoa. No meu caso específico posso dizer que até hoje usufruo dos resultados, porém eu fui para o Processo espontaneamente, buscando realmente autoconhecimento, não para resolver qualquer problema que eu tivesse passando. É claro que no primeiro ano, praticava muito os exercícios que aprendi no curso, hoje utilizo as ferramentas mais simples. Porém os benefícios que obtive com a compreensão dos meus padrões de comportamento, a consciência da responsabilidade da minha vida, a percepção da importância do presente e o significado profundo do amor e do perdão, são para o resto da vida, com certeza.

2 comentários:

Betty Boop disse...

confesso que fiquei bem surpresa vendo Ivan ir fazer esse processo! Sempre o achei tranquilo...
Não fiz processo mas convivi com pessoas de perto como Igor e vejo até hoje resultados desse trabalho. Vc não vira outra pessoa nem resolve todos os seus problemas mas com certeza lhe dá ferramentas.
Eu fiz uma terapia que é parecida com esse processo. Analisa os nossos condicionamentos...que vem da nossa infância. E mostra como não cair nos condicionamentos.
Venho praticando até hoje! E tem dado resultado...às vezes vejo o condicionamento...mas a emoção fala mais alto...e faço assim mesmo!!
Recomendo qualquer processo de autoconhecimento!! Se gostar e se entender é sempre um ótimo caminho!

Vane disse...

Em 1997,participei do 1º grupo do Proceso Hoffman aqui em Salvador Foi uma das melhores experiencias da minha vida.Não se precisa ter traumas, ser tranquilo, ser problemático para se fazer o Processo, não se tem contra indicação, ao contrário pra mim, todas as pessoas deveriam passar 8 dias para se conhecer melhor.É uma terapia pra o resto da vida.Mesmo alguém que tenha feito, e diga que não serviu, mas garanto que nunca mais vai ser o mesmo de antes.O Processo mudou e muito a minha vida , só em conhecer o valor do perdão,os padrões de comportamento e o significado do amor incondicional,que com certeza me deram maior clareza e que serão para o resto da minha vida.Sou processada.