terça-feira, junho 22, 2010

Nesse episódio de Bonanza, Diego no Mississippi!


Sobre a foto: Esquerda pra Direita, Jackson-China, Mayara-São Paulo, Andreia - Garçonete do iHop nascida em Jequié(Só em Orlando você acha isso), Adriana - Marília, Eu(Com uma camisa branca, cena inédita!), E o Karn e o Et (Tailandeses ¬¬)
Pois é, muita gente sabe, outros não, mas estou aqui no Mississippi. Pra ser mais exato, numa cidade com cerca de 40 mil habitantes chamada Meridian, que fica a 300 kilometros de qualquer lugar realmente grande.

Pra quem acha que sabe alguma coisa sobre o Mississippi porque assiste os famosos "westerns" o dia todo, e sabe o que o John Wayne vai fazer antes dele mesmo saber, está errado. Mississippi não é um pedaço do Texas jogado no Sudeste dos EUA.

Primeiro, o Mississippi tem uma das maiores populações negras dos Estados Unidos, o que é muito diferente dos 3 negros que aparecem em todos os episódios de Bonanza. Como todo estado sulista o Mississippi é localizado no "Bible Belt", ou O cinturão biblíco, e aqui cada esquina tem uma igreja, predominantemente metodistas ou batistas, fazendo daqui um lugar muito conservador.

Quer dizer, conservador de um lado. Se você quer saber o que é divisão racial, aqui é o lugar certo. Muito raramente você vê interação entre negros e brancos, e existe razão para isso. A população negra daqui é, vamos dizer, menos inteligente. Não quero generalizar, porque nas classes mais avançadas que eu tenho convivo com pessoas negras bem mais inteligentes que eu, e que grande parte dos adolescentes americanos. Mas aqui eles parecem seguir um exteriótipo que você normalmente vê em videos clipes na MTV de hoje em dia.

Você não precisa passar muito tempo aqui pra notar a gigantesca diferença.
Brancos são religiosos, educados (falar um palavrão aqui é um pecado, existem pessoas com quem você não pode falar "Hell"(Inferno) ou "Oh My God"(Oh, meu Deus) porque eles pensam nisso como blasfêmia) e educados também no sentido de que eles sabem pra onde vão. Na minha aula de física por exemplo, uma das aulas mais avançadas, a maioria dos alunos, mais ou menos 80%, são brancos. E é assim em todas as aulas AP(Advanced Placement = Colocação avançada), que são as aulas de nível de faculdade, que eles podem tomar na High School para terem mais tempo para eletivas no futuro.

E digamos que não é bem o lugar pra onde eu queria ter ido. Quando Tia Lilian falou comigo em um churrasco na casa de Tio Robinho que as pessoas nos EUA eram ignorantes, ou melhor, estúpidas mesmo, eu achei meio exagerado. Mas agora, eu concordo plenamente.

Até as pessoas que são inteligentes, as pessoas mais agradáveis, tem a falha de serem muito religiosas. E, ok, eu não curto religião, não é pra mim um assunto muito legal, e quando alguem começa a agradecer a Deus por qualquer coisa eu faço como todo o adolescente ouvindo bronca da mãe, eu viro os olhos e na minha mente xingo todo mundo no lugar (y)(só pra avisar esse "y" entre parêntesis é uma mãozinha com o dedão pra cima no MSN, aí alguma vezes eu coloco).


Agora, falando sobre mim.

Tá, deu pra notar que aqui não é lugar pra mim, né?

Todo mundo sabe, e eu não escondo, que eu sou aquele menino estranho, que tem o cabelão e anda com uma turma onde todo mundo tem cara de drogado, mas tá toda ainda debaixo da asa da mãe. Isso é senso comum.

Então, eu vim parar aqui.

E simplesmente, não existe esse tipo de pessoa aqui. Porque as pessoas com cara de drogados, são drogados.

Eu já vi aqui no estacionamento do colégio, inúmeras vezes, pessoas fumando maconha, muitas vezes eu vi pessoas na sala de aula com olhos vermelhos e olhando pro nada.

Ok, não vamos pensar só nas coisas ruins.

Eu pelo menos tive a sorte de encontrar a melhor família que eu poderia. A minhã host-mom(Kim) é super legal. Ela trabalha como gerente de um Fred's(Supermercado), lê bastante(mas normalmente aqueles livrinhos bestas cristãos que vendem por 5 doláres) e é simplesmente uma ótima companhia. E eu não faço muita coisa aqui. Não sei se acertei a loteria, mas eu caí numa casa em que eu não tenho tarefas domésticas. Só passeio a cadela todo dia e, umas 3 vezes por mês, arrumo meu quarto e ajudo a arrumar a casa(por exemplo, amanhã).

O meu host-brother também é legal. Ele não vai pro meu colégio, porque ele vai pra um colégio cristão particular. Ele é viciado em luta livre, e eu não curto muito não, mas é tradição assistir toda segunda-feira (vai entender...). E, tirando o fato de ele querer me levar pra igreja todo dia, ele é legal.

Aqui eu não faço muita coisa. O que mais faço é assistir televisão. Porque não tem muita coisa pra fazer aqui se você não gosta de esportes. Você pode escolher entre ir comprar coisas(O que eu faço MUITO aqui) ou ir no cinema(Onde você também gasta dinheiro pra caralho), ou ir pra igreja, e, sorry, eu cansei faz uns bons 3, talvez 4, meses.

Amanhã, a ultima intercambista vai embora. Meus amigos aqui eram os intercambistas, afinal, todo intercambista anda com os intercambistas. E eu vou ter que começar o processo de amizade todo denovo, uma das partes ruins de vir em de Janeiro à Dezembro. A parte boa, é que eu tenho amigos na China, Coréia do Sul, Alemanha, Georgia(País pequenininho do lado da Russia) e na Russia. Poderia ter na Tailândia, mas vamos dizer que tailandeses não levam bem piadas sobre asiáticos, e por causa disso eu não pretendo ir lá tão cedo (y) (Que fique aqui registrado, que, mesmo um pouco ofensivas, eram ótimas piadas. E que o meu amigo alemão, o Malte, ficou de boa com as piadas nazistas. risos.)

Uma das partes boas, é que eu acabei viajando um pouco.

Fui em Memphis, Gatlinburg e Pigeon Fort no Tenessee, que é o meu estado favorito nos EUA, porque as pessoas são MUITO legais. Vocês não tem idéia! Parece um pedacinho do Brasil aqui, porque as pessoas falam com você e você faz amigos na hora que as conhece.

Fui na Disney denovo. Tá bom que a viagem foi meio que uma merda, quando a gente tava fora dos parques, mas Disney, é Disney.

E agora que eu parei de ligar(no sentido de não dar a mínima) pro PIE(Meu grupo de intercâmbio). Eu vou viajar BEM mais.

Pretendo fazer uma visita à Igor em Houston, estou planejando aqui (y)

E voltar pra Orlando pra assistir um festival de Rock que vão ter lá.

E DENOVO, ir pra Disney!


Ok, eu sei que eu escrevi muito.

Mas é porque eu estou sem nada pra fazer, são 11:40 da noite, e amanhã de tarde eu vou ser o ultimo intercambista no Mississippi (y)

Mas resumindo tudo: Eu estou legalzinho, o lugar é de merda, mas eu vou levando e tentando aprender algo.

Principalmente na escola. Quando eu voltar, em Agosto, vou fazer quantas aulas AP eu puder. Sei que vou fazer Ingles, Teoria Musical, se conseguir Historia Europeia. E vou tentar fugir das aulas obrigatórias (Governo Americano e Economia).

E, pois é, estou com saudade do Brasil, estou torcendo aqui, assistindo todos os jogos da Copa, também xinguei o juiz quando ele expulsou o Kaká e estou com MUITAS saudades da família toda.
E essa história continua na próxima postagem de:

BONANZA: Diego no Mississippi


AMO VOCÊS! =D


7 comentários:

Betty Boop disse...

Excelente Post Diego!! A grande vantagem de ser um cidadão do mundo é fazer com que a gente queira se expressar e queira ficar perto mesmo que escrevendo...da família!!! A Caravana está fazendo com que Houston, Mississipi, São Paulo, Salvador e cia estejam tão perto!!!
Foi a primeira vez que conheci um pouco mais de você e achei bem interessante seus comentários!!
Você será muito bem vindo em Houston...que tal andar de balão?
Abraço!
Rose

Igor disse...

Estamos lhe aguardando

Bel B disse...

Diego,
Que legal seu texto.... Lembra que uma vez voce me perguntou porque eu gostava de viajar? Voce era bem novinho, tinha uns 10 anos, e eu lhe disse que viajando alem de se divertir, a gente adquire cultura e amigos. Agora voce com amigos em varias partes esta' se tornando cidadao do mundo!

art disse...

Diego, o Mississipi é a terra de Muddy Water, o guitarrista símbolo do inicio do rock n' roll. Procure assistir "Cadillac Records" é um filme sobre música e mostra o Mississipi nos tempos de segregação. É filmão.

Alessandra disse...

Olá, Diego! Gostei mto do seu post! Me senti no Mississipi!!!! Não sei se sua mãe já leu, mas como estou indo a fazenda Paris, vou imprimi-lo e levar essa correspondência do Velho Oeste pra galera, e já vejo- a dizendo a todos " Olhe q lindo q meu filhinho escreveu!!". Abraço, e fica bem!

Alessandra

Anete disse...

Infelizmente Alexandra esqueceu de levar o material impresso para a fazenda, só fui ler agora.
Foi até bom... Fernando não iria me aguentar... toda orgulhosa com o rebento. Afinal, mãe é mãe....
Falei com ele para escrever alguma coisa, mas não esperava que fizesse tão rápido, logo no dia seguinte...

Anete disse...

Bel,

Não entendi o horário, postei agora às 8:38 AM e apareceu 4:38 AM, em que país o Caravana está?? Não é o horário de SSA?