quinta-feira, maio 21, 2015

Nosso patrimônio histórico

Todo ano fotografo o sobrado de azulejos, na Praça Cairu,  que faz parte do conjunto histórico da cidade, junto com Elevador Lacerda, Mercado Modelo, Marinha,  enfim cartão postal de Salvador, e lamento pelo estado em que se encontra.  Além deste, na mesma região tem vários casarões antigos que também estão se deteriorando. Agora com tanta chuva na cidade, muitos que já estão em ruínas, ameaçam cair.
====================================

 Na Praça Cayru localiza-se a antiga residência do economista José Lisboa, O Visconde de Cayru. A fachada, toda revestida de azulejos, tem 70 janelões [...]. É o mais belo prédio azulejado que temos na Bahia. Como o Visconde de Cayru influenciou D. João VI para a abertura dos Portos e este solar serviu de ponto, entre 1807 e 1810, de reuniões entre exportadores podemos facilmente estabelecer que a idade destes azulejos remonta a esta época.        ((Knoff)

=======================================

Ontem no Jornal da Band, Boechat comentou que não só em Salvador mas em várias cidades do Brasil, ele citou São Luís e Olinda, está acontecendo a mesma coisa. Prédios que fazem parte do patrimônio histórico estão completamente abandonados. E não fazemos nada. Viajamos pela Europa e admiramos a arquitetura antiga de séculos de existência, completamente conservada.


Há alguns anos atrás, já no governo PT, surgiu um projeto que transformaria a quadra onde está o prédio de azulejos,  num Hotel Hilton. Claro que o sobrado com seus azulejos seria conservado. Não foi aceito. Nesta época li um artigo que dizia “Salvador, a primeira cidade a recusar um Hotel Hilton”.

Este total descaso faz-nos perguntar  “ e o IPHAN?” ... Ministério da Cultura? ... não tem dinheiro. Aliás, tem dinheiro para Lei Rounet, beneficiar os “companheiros”, shows, filmes, blogs, etc..  Segundo Boechat até verba para show de Madona no Brasil eles já forneceram. Não é questão de dinheiro e sim de prioridade.

Li esta notícia de abril/2015: “A Secretaria de Cultura e Turismo de Salvador anunciou que os quatro casarões que abrigariam o Hotel Hilton serão desapropriados. No local irá funcionar o Museu da Música, o Arquivo Público Municipal, além de outros espaços da administração municipal.
Os casarões antigos estão em ruínas e correm o risco de desabar. Após tentativas frustradas de negociação com os proprietários a prefeitura entrou com um processo em 2013 de desapropriação para dar um destino aos imóveis. O secretário, Érico Mendonça informou que os casarões passarão por intervenções, mas a arquitetura dos imóveis será preservada.”... Uma esperançazinha...
·         

5 comentários:

Fernando disse...

Vamos destruir a nossa cultura,depois importa o bolinho de bacalhau................falta total de governo,cultura,responsabilidade.

Resolver depois é impossível.

Fernando

Marcelo/Leri disse...

A nossa Bahia, capital mais antiga do Brasil, esta em uma decadência sem fim: tiraram as barracas das praias para fazer algo melhor e nada, o nosso patrimônio histórico esta uma vergonha, caindo aos pedaços, transporte e segurança nem se fala. Pobre querida Bahia.

Bel B disse...

E ontem ouvi a notícia que a prefeitura vai derrubar 24 casarões nas imediações do Elevador Lacerda, com risco de desabar.

Marcelo/Leri disse...

Pango, parece que até o seu querido MEIATREIS subiu na poeira. Quanta saudade hein?

Noélia Barreto Matos disse...

Só nos resta admirar as belas ruínas, é lamentável!