domingo, janeiro 31, 2016

2015/2016 - Uma Odisseia * PARTE 1 (Natal e Ano Novo)


Tudo começou quando vim do Rio passar as férias de final de Ano com a família em Conquista.
Sem meu filhote, vim tietar minhas sobrinhas Jojô e Ninica e a grande Malu.
NATAL
Papai Noel
Sandra com o presente do
filho/amigo secreto Daniel
Tio Zeu pegando o seu presente



Filhinha Noel


Naninha e Malu



O Natal foi aqui em Conquista, com direito a amigo secreto, distribuição de brindes (que Naninha tornou super engraçado).




E como foi bom e emocionante o nosso Natal.

ANO NOVO 

Depois fomos decidir aonde passaríamos o nosso Ano Novo, seguimos a orientação de Ninica e por coincidência, o cara que conserta o portão de Sérginho tinha uma casa lá .... em Trancoso.

A família Buscapé foi então com a sua super frota de carros Fiat e o carro importado de Karla passar o Reveillon em um dos lugares mais cotados pelo universos dos artistas globais e pessoas bonitas (assim como nós).

Conseguimos alugar a casa por R$ 1.600,00 durante o ano novo até dia 07/01.

De saída ainda convidei minha prima Celinha, a casa pelas informações, tinha 2 quartos, então prontamente falei "- Cabe 15".

Foi Sérginho, Anamira, Aninha, Joana, Malú, Bruno, Karla, Camila (amiga de Karla), eu, mainha, Celinha e Lucinha irmã de Anamira. Duda e Lúcia apareceram também , mas foi visita de médico.
Duda chupando um picolé na praia
Bem não foram 15, mas 14 compareceram, se contar que tivemos uma visita do filho de Celinha,  no final foram 15 mesmo.

Haja farra, saímos de Conquista, passamos na Fazenda de Dudão, depois em Eunápolis onde Anamira fez uma feira pequena, só dava para 1 mês.

Chegamos depois do almoço, a casa parecia um forno, fomos para a Praia e só voltamos para casa já quase de noite.

Conversando com o dono da casa, nos informou que a praia era bem perto, tinha um atalho, descendo um morro.

Bem , no segundo dia fomos eu, Celinha e Bruno desvendar este caminho, saímos 7 horas da manhã e conseguimos voltar para casa umas 10 horas, todos queimados, rosto vermelho, desidratados e muito cansados, Serginho já estava saindo de carro para nos procurar.

Bem, o pertinho e o atalho não era bem o que estavamos pensando. Andamos uns 2 km, entramos em uma matinha, depois chegavamos em um mirante muito lindo e com uma paisagem deslumbrante.
Mirante
Mirante - nascer do sol - Vista Praia dos Coqueiros











Não descemos um morro, mas um despenhadeiro, tinha que segurar para não cair.

Chegando lá em baixo pegamos a Praia dos Coqueiros e andamos até o final, quando ligamos para o pessoal pegar a gente não tinha sinal na casa e tivemos que voltar andando com o sol a 40º (sensação térmica).

Com o pouco dinheiro conseguimos tomar cada uma uma água mineral, voltamos uma parte pela estrada cheia de poeira, depois pegamos a praia de novo.

Eu com meu passo de tartaruga e Bruno e Celinha andando mais rápido e me esperando na sombra.

Ninguem imagina o sofrimento, agora que passou nem eu, mas foi pau e viola.

Na hora de subir o penhasco até achamos um motoboy, mas só imaginar naquele calor colocar o capacete, preferi ir andando.

Passamos pela matinha super agradável e no meio achamos um vendedor de picolé. Com o troco dos R$ 10,00  que levei para na volta comprar pão e os R$ 2,00 que Bruno achou no chão, compramos um picolé para cada.

Quando saímos da matinha para a estrada de carro (não asfaltada) que o sofrimento aumentou um pouco, parecia que ficava a 10 km da casa (realidade  2 km).
Até hoje tenho marcas desta aventuras, minhas manchas no rosto aumentaram.
Cheguei mais vermelha que um pimentão.

Ufa, mas é igual parto, depois que passa o sofrimento foi legal.

E isto só no primeiro dia.

No dia seguinte fomos para a Praia e de noite na comemoração do Reveillon fomos para o Quadrado, ver a queima de fogos. O Quadrado é o centro chique de Trancoso que só tem gente bonita e artistas da Globo. Os bares são muito bonitos, bem decorados, o que não podemos elogiar muito é o serviço.

Foram 20 minutos de queima de fogos.

Anamira e Serginho foram levar Aninha na festa "Café de Le Music", lá ela iria encontrar com o filho, irmão e sobrinhos de Celinha, festa muito cara, R$ 1.200,00 para homens e R$ 890,00 mulheres. Chegaram um minuto antes da meia noite.

Pois é, depois do reveillon ficamos em um bar e depois fomos para casa. Seis horas da manhã, Serginho acordou para ir pegar Aninha na festa, deu oito horas e nada de Serginho. Fomos, eu, Anamira e Celinha ver o que tinha acontecido, encontramos eles já voltando para casa.

O engraçado foi que Serginho conseguiu entrar de penetra (autorizado pelo porteiro) em uma das festas mais cara (quem conhece meu brother sabe que ele não pagaria). Fez amizade com o porteiro e seu café da manhã foram umas 20 garrafinhas de Corona. Resultado: Teve que se recuperar da resaca durante todo o dia seguinte.




2 comentários:

Bel B disse...

E teve caminhada em Trancoso! caminhar no sol e na praia só para atletas...

E haja Farra!... depois o Veraneio de Salinas. Só mesmo Anete para esta disposição toda.

Anônimo disse...

Dudão, que bom te ver!