domingo, abril 29, 2012

Discussao politica ou cruzada anti-PT?

Nos ultimos 2 meses passei a participar ativamente do blog, pois sinto falta de discussoes interessantes aqui nos Estados Unidos.
Esta ficando otimo, ja tivemos varios posts animados e como diz Bel tem muita gente lendo e gostando, mas nao escrevem nada, como eu antes lia e nao escrevia.
Porem temos um problema agora na area politica pois os posts anti-PT estao polarizados e inflamados. Apesar de varios comentarios inteligentes volta sempre a mesma tecla.
Gostaria de sugerir diminuir o emocional e analisar a situacao como um todo e propor solucoes. Em resposta a varios artigos anti-PT varias pessoas ja responderam "OK, o PT e ruim, e dai?" O que espero de uma discussao desta nao e uma discussao cotinua dos mal feitos do PT, mas uma analise de como chegamos neste ponto e para onde vamos.
Por isso vou me nomear moderador desta discussao e sintetizar as observacoes e partir para proposta.

Segue abaixo uma lista de observacoes do grupo.

1 - O PT se elegeu com uma proposta de eliminar corrupcao e garantir liberdades.

2 - O PT caiu em corrupcao e esta ameacando repressao como governos anteriores.

3 - O PT se fortaleceu e chegou ao poder por 2 razoes: populismo (similar a outros novos lideres de esquerda da America Latina) e foi o unico partido politico coeso no Brasil nos ultimos 50 anos.

Agora eu faco a pergunta ao lado de la: eu nao moro no Brasil, nao estou a par de outros lideres politicos, quais sao nossas opcoes? Existem outros lideres, como combatemos o PT?

Precisamos achar lideres capazes de oferecer uma opcao valida para liderar, somente falar mal do PT significa trocar por anarquia, o que nao faz sentido.

9 comentários:

art disse...

Acredito que o fato de você, Lula, morar nos EUA e nunca ter digamos, enfrentado um estado de excessão, contribui para que você talvez não entenda o que está havendo no Brasil:

1. O PT não é um partido político como outro qualquer, é um programa de tomada e manutenção de poder a qualquer custo, dentro do modelo Gramsciano(usar a democracia para solapar a democracia), e fazer do roubo sua ideologia.

2. O PT pretende extinguir a oposição que porventura exista.

3. O processo em andamento se dá pelo aparelhamento brutal do mecanismo estatal, não importando com isso que esse mecanismo deixe de funcionar (somente em Brasília são 26000 filiados em cargos de confiança), e agencias reguladoras, não temos mais aeroportos, a infraestrutura brasileira encontra-se em pedaços, que você pode chamar de eugenia ideológica. Talvez, examinando como a política externa brasileira hoje opera você possa ter uma tênue idéia, uma vez que agora o Brasil se alia às piores ditaduras do planeta.

4. O PT mantém uma afronta permanente à constituição brasileira, e o executivo comanda o legislativo e o judiciário. A democracia brasileira encontra-se próximo ao esgotamento, uma vez que os poderes não são independentes.

5. O país está sofrendo uma desindustrialização como nunca se viu na história, uma vez que o passo seguinte ao plano Real, a reforma tributária não aconteceu e o país perde competividade progressivamente, firmando-se apenas em commodities agrícolas e minerais.Todos os negócios no Brasil são intermediados por petistas, sendo Zé Dirceu o "Cappo".

A diferença entre um estado "benfeitor" e um estado totalitário é uma questão de tempo, infelizmente.

art disse...

Diante do acima exposto, querer comparar o PT a qualquer outro partido político é no mínimo, ingenuidade. A imprensa encontra-se acuada, revistas que são de, digamos oposição, não recebem anuncios do governo, em compensação, revistas governistas são sustentadas apenas por anuncios do estado, mesmo sem possuir leitores (Carta Capital, Amigos etc).

Luladasequacao disse...

Arthur, otimo que finalmente estamos tendo uma discussao e nao somente postar opinioes.
Em primeiro lugar, eu mencionei morar nos EUA nao como me ausentando, nao sabendo nada do Brasil. Eu mencionei isto para qualificar que nao conheco a politica atual. Nao posso opinar sobre que politicos e/ou partidos podem apresentar uma concorrencia efetiva ao PT.
Por outro lado, meu conhecimento da historia do Brasil e efetivo. Eu revejo a nossa historia e somente nos ultimos 100 anos o Brasil passou por 2 ditaduras significativas.
Getulio Vargas tomou o poder em 1930 e ficou ate 1945. Getulio considerou se aliar a Hitler e Mussolini, que eram muitos piores que qualquer aliado externo do PT considera hoje. Eu obviamente nao era vivo, mas os livros sobre o periodo e ate mesmo relatos de pessoas que eu conheci me dissem que tinha corrupcao e repressao de sobra.
Do golpe militar de 1964, que durou ate 1982 eu nao so li como participei. Meu pai passou um mes usando um casaco grosso devido a possibilidade de ser preso. Ele lia Marx e talvez tenha participado de uma reuniao politica ou duas, e contava muita vantagem na praca. Quando vim para os EUA em 1974 a primeira providencia foi assistir Z de Costa Gravas e A Laranja Mecanica de Stanley Kubrick, que eram proibidos no Brasil.
Dentro deste panorama historico eu digo que o PT e fichinha, de fritar bolinho. Nao creio que comparar o PT com Getulio e militares de 1964 seja ingenuidade.
Por outro lado, nao discordo dos pontos que voce menciona, tal como perda de industrializacao. Nao acho que o PT esteja brilhando, mas ainda esta muito longe das ditaduras anteriores que tivemos. Sera se chega la? Somente se deixarmos.
Portanto volto a pergunta anterior, o que eu faco, em quem eu voto? Ainda sou cidadao brasileiro com direito a voto, posso ir na embaixada votar, me apresente seu candidato e me convenca ser o certo e voce ganha meu voto.

art disse...

Se a sua necessidade é buscar uma alternativa, vc pode encontrar gente que presta na maioria dos partidos políticos, mas lembrando a máxima "aquilo que se sabe tem um duplo valor se admitirmos da mesma forma que não sabemos aquilo que não se sabe". O PPS sempre ganha meu voto, assim como alguns candidatos do PMDB ou mesmo do PV. Quanto a considerar que "estamos muito longe das ditaduras anteriores" me lembra o episódio dos judeus à porta do forno, achando ainda que iam tomar banho.

Mais um detalhe: abro mão de ter de te convencer a votar no "meu candidato".

art disse...

Cabral aprendeu depressa o norte (a)moral do PT. Antes de esse partido chegar ao poder, a máxima de seus militantes era esta: “Todo mundo é indecente, menos a gente”. No poder, com a ajuda de Marilena Chaui e alguns outros acadêmicos, construiu-se uma outra máxima: “A gente não é decente, mas ninguém é!” E qual seria o diferencial dos petistas, então? Ora, eles argumentam que sua indecência se manifesta sempre como uma reação aos adversários e a favor do povo.
O próximo passo é: "Então qual é a alternativa?"

Mariana disse...

Papo cabeça... ainda não cheguei nesse nível ; (

Mariana disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Alvaro Risso disse...

Arthur, gostei da sua análise: bate com a minha.

art disse...

O senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) disse ao empresário Carlinhos Cachoeira que o governo federal condicionou a nomeação de um ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) à absolvição de réus no processo do mensalão. A conversa, obtida pela Folha, foi gravada com autorização judicial pela Polícia Federal, na operação que prendeu Cachoeira em fevereiro. Demóstenes disse a Cachoeira que "um amigo" que havia recusado a vaga no Supremo dissera a ele que as condições do Planalto para aceitá-la eram votar contra a aplicação da Lei da Ficha Limpa na eleição de 2010 e absolver os denunciados pela Procuradoria da acusação de participar do mensalão.




A Ficha Limpa determina a inelegibilidade de político condenado criminalmente em segunda instância, cassados ou que tenha renunciado para evitar a cassação. Candidatos recorreram ao STF contra a aplicação da lei já em 2010. "O Fux [ministro Luiz Fux] votou a favor da ficha limpa? Vai valer já a partir de 2012?", perguntou Cachoeira a Demóstenes. O senador então respondeu: "Exatamente. Já estava cantada a pedra. Eu te contei, o amigo meu recusou lá e as condições eram aquelas. Vai votar assim e vai votar pela absolvição da turma do mensalão". A conversa entre Demóstenes e Cachoeira ocorreu em 23 de março de 2011. Naquela tarde, o ministro Fux, nomeado por Dilma Rousseff dois meses antes, havia votado contra a aplicação da Ficha Limpa nas eleições de 2010.




O voto de Fux foi decisivo porque duas análises anteriores de recursos contra a lei haviam terminado empatadas. Na ocasião seguinte, o STF anulou por 6 votos a 5 os efeitos da lei nas eleições de 2010, para que ela começasse a valer a partir de 2012. À Folha Fux negou que tenha recebido qualquer tipo de condição para assumir a vaga, que ficou indefinida por seis meses, desde a aposentadoria de Eros Grau, em agosto de 2010, ainda no governo Lula. "Tem muita bravata nisso tudo", disse. Com a saída de Grau, vários nomes foram cotados para assumir a cadeira que acabou ficando com Fux. Entre eles estavam o do ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) César Asfor Rocha e o advogado Arnaldo Malheiros.(Folha de São Paulo)